Mundo

Foto: Foto: Helvio Romero/Estadao
em 20 outubro, 2018

Auditoria revela festas milionárias da ONU no Haiti

A auditoria foi realizada entre abril de 2017 e janeiro de 2018. Apenas em maio ela foi concluída, mas estava sendo mantida em sigilo. O foco do levantamento obtido pelo Estado era determinar como estava ocorrendo o fim da missão que começou em 2004 e foi liderada militarmente pelo Brasil. No entanto, a apuração não se referia aos soldados brasileiros, nem ao comando militar da força, mas sim dos escritórios mantidos pela secretaria da ONU no país. 

Em outubro de 2017, a Minustah foi oficialmente encerrada e, em seu lugar, a ONU criou a Missão da ONU de Apoio à Justiça no Haiti (Minujusth), uma operação bem menor e com um papel limitado. De 4,7 mil soldados internacionais, a missão passou a contar com apenas 1,3 mil policiais e mais 300 funcionários administrativos. Seu objetivo é o de apoiar o fortalecimento das instituições e o estado de direito.

Nesse processo, porém, os balanços e as contas precisariam ser encerrados, assim como contratos com fornecedores e pagamentos a empregados locais. Mas o que a auditoria encontrou foi uma série de problemas administrativos e incoerência em pagamentos.

Por conta do caráter intenso e perigoso de uma missão de paz da ONU, cada uma delas conta com um departamento para garantir o “bem-estar e recreação” dos funcionários. Mas o que a auditoria descobriu é que, no Haiti, houve uma corrida para se gastar o dinheiro antes do fim da missão com festas, restaurantes e turismo. 

Apenas num jantar para 200 funcionários realizado três dias antes do encerramento da missão, o escritório gastou US$ 15,2 mil. Ou seja, US$ 75 dólares por pessoa, num dos países mais pobres do mundo. Isso tudo ocorreu sem que os organizadores realizassem uma licitação. 

O que ainda chama a atenção é que o valor foi pago por um serviço relativamente limitado: uma taça de coquetel, dois refrigerantes, um buffet e uma sobremesa. Segundo a própria ONU, 1,3 milhão de haitianos precisam de ajuda para se alimentar e 75% vivem com menos de US$ 2 por dia.

Segundo a auditoria, porém, a realidade da Missão da ONU era outra nos últimos dias da operação. A enquete ainda mostrou que outros 17 membros do sindicato dos funcionários foram beneficiados com uma viagem a um hotel resort à beira mar, com um custo total de US$ 5 mil para apenas duas noites. 

De acordo com a apuração, a viagem “ocorreu uma semana antes do fim da missão” da ONU no Haiti. “Os custos incluíram acomodação por duas noites, refeições e locais para conferência”, apontou. 

Ao realizar a auditoria, a ONU ainda descobriu que um volume significativo de recursos foi usado para bancar festas e confraternizações. Cinco “happy hours” organizado pela missão para os funcionários ainda saiu por US$ 41,8 mil. De acordo com o documento, os participantes nessas festas eram em grande parte “funcionários nacionais”. 

Fundos ainda foram usados para organizar dois eventos cujo objetivo era o de “administrar mudanças”. Para isso, foram gastos US$ 18,9 mil. 

Revisão - Ao final de 2017, portanto, o Comitê de Bem-Estar ainda tinha um total de US$ 18,6 mil em sua conta. Mas a auditoria determinou que a Minujusth, que substituiu a Minustah, deverá “rever a administração dos fundos de bem-estar durante o período de liquidação e informar qualquer falha por parte dos funcionários da Minustah em manter os padrões elevados de probidade e conduta na gestão desses fundos para evitar que o mesmo ocorra no futuro”.

Numa resposta, a direção da Minujusth se limitou a afirmar que “aceitar as recomendações” realizadas por parte da auditoria. Ela ainda indicou que “o Departamento de Recursos Humanos estava compilando suas descobertas e irá produzir um informe para explicar o que ocorreu”. 

 

Autor(a): Saulo de Castro