Arquitetura - wellingtonfernandes@mail.com

Wellington Fernandes

Fechamento de sacada

23 de Outubro 2018 - 04:02
 
 

 

Fechamento de sacada: descubra as regras para integrar a varanda

O recurso aumenta a metragem da área social dos apartamentos, mas deve obedecer normas do condomínio e da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

21/10/2018| POR MARIANA CONTE casa vogue

Fechamento de sacada: descubra as regras para integrar a varanda (Foto: Guilherme Pucci)Projeto do escritório Pietro Terlizzi Arquitetura

A onda das varandas gourmet e a tendência dos apartamentos integrados fez com que muitas pessoas desejassem fechar suas sacadas por meio de um sistema de envidraçamento. Além disso, as construtoras têm investido em aumentar a metragem da varanda, assim, a incorporação desse espaço na área social ajuda a expandir o tamanho do ambiente.

 

Outro ponto, é que o fechamento das sacadas reforça a barreira contra intempéries e o isolamento acústico do apartamento. "Quando fechadas, as lâminas de vidro protegem as sacadas de vento e chuva e diminuem o ruído da rua", explica o arquiteto Pietro Terlizzi. Mas, antes de optar pelo envidraçamento e contratar uma empresa para cuidar do serviço, é preciso conhecer as regras definidas pelo condomínio e a norma da ABNT específica para os sistemas de fechamento.

Regras e normas

O fechamento com vidro deve seguir as diretrizes estabelecidas pelo condomínio, que são aprovadas em assembleia pelos moradores. As regras podem definir, por exemplo, desde o tipo de sistema de envidraçamento e de rede de segurança até o modelo e a cor da cortina, com o intuito de manter um padrão na fachada do edifício.

Fechamento de sacada: descubra as regras para integrar a varanda (Foto: Divulgação)Projeto do Estúdio FCK

Neste projeto do Estúdio FCK, o condomínio permite o envidraçamento da sacada e sua integração total com os demais ambientes, podendo retirar, inclusive, uma porta balcão que fazia divisão entres os espaços. "Também admitiram a pintura das paredes do antigo terraço, o que desconfigura a fachada original", conta o arquiteto Felipe Luciano, do Estudio FCK.

Fechamento de sacada: descubra as regras para integrar a varanda (Foto: Guilherme Pucci)Projeto do escritório Pietro Terlizzi Arquitetura

No projeto do Loft Faria Lima, assinado por Pietro Terlizzi, o sistema de envidraçamento definido pelo condomínio tinha que vencer os 12 m de extensão da varanda. Por isso, o arquiteto preferiu dividir a movimentação dos painéis de vidro em dois sentidos. "Metade desliza para a esquerda e a outra metade para a direita. Assim, o emparelhamento das lâminas abertas não cria um volume muito grande que possa atrapalhar o uso do ambiente", explica Pietro.

+ Cor e integração definem apartamento jovem assinado por Maurício Arruda
+ Top 20: o poder de um móvel colorido

Fechamento de sacada: descubra as regras para integrar a varanda (Foto: Mariana Orsi)Projeto do Estúdio FCK

Qualquer sistema adotado também deve respeitar a NBR 16259, publicada em 2014 pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Ela estabelece critérios técnicos e de segurança para avaliar o sistema como um todo, independente do tipo de abertura – que pode ser deslizante, pivotante ou misto. O conjunto precisa ser aprovado nos testes de resistência à corrosão, esforços repetitivos, pressão do vento e impactos.

Fechamento de sacada: descubra as regras para integrar a varanda (Foto: Mariana Orsi)Projeto do Triarq Studio de Arquitetura 

O envidraçamento da sacada não necessita de liberação na prefeitura, mas antes de começar a obra será exigida a emissão de RRT (Registro de Responsabilidade Técnica) ou ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), específico para o envidraçamento da varanda. Esse documento deve ser emitido pela empresa responsável pelo fornecimento do sistema, que deve contar com um profissional que possa emitir o registro atestando a segurança do produto.

Sistemas mais adotados e tipos de vidro

Na hora de contratar o serviço de fechamento de varanda, além das normas, é importante conhecer os tipos de instalação e de vidro. O fechamento do piso ao teto é o mais usado no Brasil. A versão é instalada pelo lado de fora da mureta existente no apartamento ou para dentro do guarda-corpo e não exige o laudo de integridade e resistência deste último. Outra opção, o sistema de envidraçamento sobre o guarda-corpo é composto por perfis e painéis de vidro fixados no guarda-corpo e na viga. Porém, essa alternativa depende de um laudo do próprio guarda-corpo.

 

Fechamento de sacada: descubra as regras para integrar a varanda (Foto: Raul Fonseca)Projeto de Cristiane Schiavoni

Em relação ao vidro, o laminado é o tipo mais indicado já que ele é feito de duas chapas unidas por um elemento entre elas (polímero, EVA ou resina), evitando que os cacos se desgrudem em caso de quebra. Já o vidro temperado não é tão indicado porque, ao romper, o painel fragmenta-se em pedaços que podem cair para fora da varanda e oferecer riscos ao condomínio.

Além de todos estes cuidados, é recomendada uma revisão anual, para verificar o sistema e substituir componentes, se for o caso. "Por isso é fundamental contratar uma empresa idônea, que preste a assistência correta também na etapa de manutenção", aconselha Pietro.

Tecnologia em casa cor Paraiba

22 de Outubro 2018 - 10:27

Casa cor Paraiba.

Tecnologia presente em todos os ambientes  casa cor, todos os espaços com controle de iluminação digital,nesse espaço  "ocean lider loft" projetado pela arquiteta Bethania Tejo,um espaço urbano de praia  todo automatizado. chama atenção , o ambiente muito bem projetado e super descolado, móveis de excelente qualidade. Um ponto interessante é o projetor que agora ficou mais tecnológico, apenas uma peça sobre o móvel substitue aqueles antigos projetores no teto.

 

Utilização de lâmpadas LED

16 de Outubro 2018 - 03:33

A utilização de lâmpadas LED no projeto residencial e comercial de iluminação


 

Para a apropriada dimerização da iluminação LED, é importante escolher modelos confiáveis de lâmpadas.

Com o aumento do custo de energia no cenário mundial atual, a economia de energia e o desenvolvimento sustentável tornaram-se algo fundamental. Como cerca de 20% da energia elétrica consumida no mundo é gasta com iluminação, há uma necessidade de que esse mercado avance oferecendo lâmpadas com alta eficiência luminosa. A eficiência dos Leds tornou-se expressiva somente na última década, pois, até então, eram usados somente como sinalização.

O LED (sigla para Light Emitting Diode) trabalham com diodo emitindo luz. E, apesar de a tecnologia não ser tão nova, nem todos sabem como utilizá-las ou conhecem todas as vantagens dessa tecnologia.


As lâmpadas LED podem economizar de 75% até 95% da energia que é consumida por outros tipos de componentes, resultando em uma conta de luz mais baixa.
Outra grande qualidade das lâmpadas LED é o fato de que elas podem ser encontradas em tamanhos bem reduzidos, de forma que é possível iluminar ambientes pequenos — como o fundo do armário, por exemplo. Além disso, o tempo de vida desses componentes é bem alto, chegando perto dos 10 anos.

Existem vários estudos feitos por lighting designers, arquitetos e designers de interior sobre a aplicação do Led no lugar de outros tipos de lâmpadas. Deve-se ter cuidado, pois a má utilização pode estragar o projeto ou complicações posteriores em um projeto de automação residencial.

Não basta substituir uma lâmpada dicroica por uma de led, pois os fluxos luminosos são diferentes. Isso porque o LED não resiste a outra fonte luminosa que concorra diretamente com sua luminosidade – o led some se isso acontecer.

A tecnologia LED apresenta uma complicação importante para os projetos luminotécnicos e de automação residencial. A sua dimerização.

A variação do fluxo luminoso (dimerização) dos Leds é baseada na variação linear da corrente contínua ou por modulação por largura de pulso (PWM) da corrente nominal. Na prática, as frequências baixas do LED farão com que a iluminação comece a piscar, ou seja, ocorrerá o efeito de flicker. Portanto, é importante estar atento na hora da compra da lâmpada LED.

Essa tecnologia tomou conta e hoje existem uma infinidade de marcas de lâmpadas, entretanto poucas possibilitam uma apropriada dimerização, mesmo aquelas intituladas “dimerizáveis”. A dica é pesquisar pela qualidade e não pelo preço. Sim, as boas lâmpadas são mais caras.

Consumo de energia e eficiência.

A energia consumida pelo LED é revertida em iluminação e não em calor, consequentemente sem desperdício de energia.
- Lâmpada incandescente 60 W = luminária LED de 4,5 W com economia de 55,5 W/hora.
- Lâmpada fluorescente tubular de 40 W = luminária LED de 18 W com economia de 22 W/hora.
- Lâmpada dicroica 50 W = luminária LED de 6 W com economia de 44 W/hora. Reposição das lâmpadas.

O LED pode chegar a mais de 50.000 horas de vida útil, enquanto que:

- Incandescente = 1.000 horas
- Fluorescente Compacta = 6.000 horas
- Fluorescente Tubular = 7.000 horas
- Halógena = 3.000 horas

fonte. newcontrol.com.br

Biancogres e Suacasa

09 de Outubro 2018 - 02:35

Visita a fábrica da Biancogres em Vitória,através da loja Suacasa. Fomos convidados à conhecer e vivenciar uma experiência muito interessante, acompanhar todo o processo de fabricação de produtos que especificamos, dentre eles, lancamentos e peças de grande formato 1.20x1.20m.

 

A Biancogres

O Brasil é grande. A Biancogres também. Por isso, estamos sempre buscando inovações no setor de porcelanatos e revestimentos cerâmicos. Os resultados que você encontra em nossos produtos são fruto de um processo que envolve design e tecnologia.

Desde 1997, essa é a base de nosso trabalho. Somando-se pesquisa e desenvolvimento às principais tendências do design e da decoração, os consumidores contam com cerâmicas e porcelanatos de alto valor agregado, produzidos a partir de processos modernos e sustentáveis.

Atender com excelência a cada uma dessas premissas coloca a Biancogres entre as principais empresas do setor e com o melhor índice de aprovação do mercado nacional. A Biancogres é grande porque o Brasil nos fez assim.

MISSÃO

Produzir e comercializar revestimento cerâmicos com o melhor custo e benefício, agregando valor aos clientes, colaboradores, investidores e fornecedores.

VALORES

Esta é a nossa Cultura. São Princípios e Valores sobre os quais baseamos as nossas atitudes e construímos a empresa. É nisso que acreditamos.

- Pessoas focadas no resultado
- Autoridade com responsabilidade
- Ética
- Liderança pelo exemplo
- Simples é melhor que complexo
- Busca contínua por resultados melhores
- Custos enxutos

POLÍTICA DA QUALIDADE

Produzir e comercializar revestimentos cerâmicos assegurando qualidade dos nossos produtos, através da melhoria continua do sistema de gestão da qualidade, se comprometendo em satisfazer os requisitos aplicáveis à organização e promovendo valor aos clientes, colaboradores, investidores e fornecedores.

a biancogres e a loja suacasa foram a ponte para esse nosso conhecimento e nada melhor que essa bela vista da cidade de Vitoria com a ponte.

crédito.Patricia Sales

equipe que nos deu todo apoio e atenção.

turma excelente , arquitetos de Natal e Mossoró e ao centro Pedro Fonseca proprietário da loja "sua casa".

brindes da loja sua casa.

credito Patricia Sales

equipe toda no showrom da fábrica.

credito Patricia Sales

 

credito Patricia Sales

acompanhando todo processo.

como arquitetos nao deixamos de observar a arquitetura da cidade e o hotel onde ficamos o Sheraton se destaca como exemplo de arquitetura.

a ambientação do hotel que usa em seus ambientes revestimentos em porcelanato.

 

Casa cor Paraiba 2018

26 de Setembro 2018 - 09:57

Fachadas ventiladas

25 de Setembro 2018 - 02:46

10 modelos de fachadas ventiladas: Como funciona

SITE.TUDO CONSTRUÇÃO.

imagens divulgação

Para quem não conhece, a fachada ventilada é considerada uma solução bem construtiva e também sustentável que traz inovação e eficiência energética para proporcionar o conforto térmico. A fachada ventilada é capaz de reduzir o consumo de energia em 30 a 50% e outro detalhe é que elas são construídas com materiais 100% recicláveis e essa é uma das vantagens. Por esse motivo, trouxemos 10 modelos de fachadas ventiladas e também explicamos como a mesma funciona.

10 modelos de fachadas ventiladas: Como funciona?

Fachadas ventiladas

A fachada ventilada é indicada para ser usada em edifícios e na verdade ela compõe a fachada principal e serve como uma proteção. A fachada ventilada é fixada em uma armação de alumínio ou também pode ser de aço inoxidável que fica ancorada a estrutura da edificação e com isso mantem a fachada afastada da alvenaria de vedação.

O principal da fachada ventilada é o sistema de juntas abertas e isso faz com que os espaços entre as placas não recebam vedação completa nas aberturas inferiores e superiores. Essa cavidade tem largura média entre 10 a 15 centímetros. A fachada ventilada proporciona um efeito chaminé que na verdade é a troca de ar permanente na câmara maior e traz o conforto ambiental dentro do edifício.

O efeito chaminé da fachada ventilada acontece quando o ar quente sobe e pela diferença de pressão, acaba sugando, para dentro da cavidade o ar mais fresco. O ar que fica na cavidade acaba mudando continuamente e não aquece a face do corpo da edificação que permanece protegida.

Vantagens da Fachada Ventilada

As fachadas ventiladas proporcionam algumas vantagens que são:

Sistema respirante: O sistema possibilita a dispersão do vapor presente no interior das paredes, eliminando a umidade dos edifícios.

Estanqueidade à água: O sistema de fachadas ventiladas é capaz de controlar a entrada de água da chuva e eliminar as infiltrações, uma das causas mais frequentes da deterioração das fachadas.

Facilidade de limpeza: A estanqueidade da água é uma vantagem, também, porque sua alta durabilidade e seu baixo grau de absorção permitem que a limpeza  das placas seja feita pela própria água da chuva.

Facilidade de manutenção e reposição das placas: Proporciona redução considerável do prazo de obra, com baixo ruído e menor interdição a possibilidade de uso de placas em grandes formatos com segurança.

As fachadas ventiladas ventilam o edifício e minimiza o consumo de energia para o condicionamento de seu ar inferior. Outra vantagem é a redução considerável do prazo de obra, com baixo ruído e menor interdição a possibilidade de uso de placas. Há também o tratamento de isolamento térmico e acústico e de tratamento de revestimento anti-bactericida.

A fachada ventilada pode ser utilizada em residências com redução considerável de prazo de obra e também em comércios e em hospitais, além de equipamentos urbanos.

Tendência granilite

20 de Setembro 2018 - 09:00

Você já ouviu falar da tendência Granilite?

 

Você já conhece o mármore e o granito, certo? Ambos são pedras nobres e extremamente utilizadas na arquitetura e design de interiores, para diversas funções in e out decor. A partir do propósito de utilizar um produto tão resistente, bonito e versátil quanto as pedras já citadas, surgiram as tendências Marmorite e Granilite.


Imagem: Colour Emotions Broken Illusions

 

Mas, afinal, o que são?

O Granilite e o Marmorite consistem em revestimentos de base cimentada, onde é realizada uma mistura entre a areia, água e cimento. Neste composto, adiciona-se quartzo, granito, vidro e mármore dando aquele acabamento fragmentado e característico.

Essa técnica foi muito utilizada antigamente, principalmente na década de 40 e chegou a ser uma das maiores tendências de revestimento no Brasil durante essa época.

Há algum tempo começamos a ver novamente o granilite nos ambientes e neste ano o material ganhou novos espaços. Até os porcelanatos se inspiraram nele, trazendo um estilo remasterizado do revestimento, com aspectos mais contemporâneos e com uma grande variedade.

Devido à versatilidade do estilo, que permite a aplicação em ambientes desde os mais clássicos até os mais urbanos, o porcelanato inspirado no granilite se torna um verdadeiro coringa.

Além disso, eles também são adaptáveis a qualquer espaço, como pisos, paredes e até utilizados como bancadas, tornando-se um revestimento referência e com força total no mercado brasileiro.

Confira alguns projetos que apostaram nessa tendência incrível:


Esse espaço é o escritório da WeWork em Shangai. A reforma foi realizada pelo escritório Linehouse Design que investiu na tendência Granilite em tons pastéis. Imagens disponíveis pela WeWork Wehai Lu.

Esse lindo apartamento em Bruxelas, projetado pelo Atelier Dialect, recebeu em sua bancada a tendência de forma delicada e sofisticada.


Nessa loja do Valentino, vemos a tendência Granilite em todo lugar. Belíssimo!
Foto realizada por David Chipperfield.



Vemos também a tendência Granilite na CASACOR SP deste ano, no ambiente CASA TERRA assinado pela Paola Ribeiro. A arquiteta utilizou muito bem o porcelanato Terrazzo 63x63 na área externa de seu projeto. Lindo!

Quer saber sobre mais tendências da arquitetura & design, dicas de decoração e projetos incríveis? Acompanhe semanalmente nosso blog!

A História do Móvel Brasileiro Moderno em livro

19 de Setembro 2018 - 08:30
 

A História do Móvel Brasileiro Moderno em livro

“Móvel Moderno Brasileiro” é um livro escrito pelas professoras da USP Maria Cecilia Loschiavo e Tatiana Sakurai

24/11/2017| POR REDAÇÃO | FOTOS REPRODUÇÃO casa vogue

A História do Móvel Brasileiro Moderno em livro (Foto: Divulgação)

Com o intuito de recontar a produção de design de mobiliário brasileiro no período moderno, as professoras da FAU USP, Maria Cecilia Loschiavo e Tatiana Sakurai, escreveram a obra “Móvel Moderno Brasileiro” (Editora Olhares), que será lançada hoje no Rio de Janeiro, amanhã em São Paulo e no dia 7 de dezembro em Miami. Complementando o texto das pesquisadoras, estão fotografias clicadas por André Nazareth e Felipe Varanda, que permitem vislumbrar o potencial criativo dessa geração do design nacional.

LEIA MAISCasa carioca mistura clima tropical, objetos artesanais e design moderno

Para recontar esse período da história do design nacional, os galeristas e organizadores da obra, Alberto Vicente e Marcelo Vasconcellos, selecionaram os 15 nomes mais representativos do período, os quais incluem Lina Bo Bardi, Joaquim Tenreiro, José Zanine Caldas, Sergio Rodrigues, Jorge Zalszupin, dentre outros.

 
A História do Móvel Brasileiro Moderno em livro (Foto: Divulgação)
A História do Móvel Brasileiro Moderno em livro (Foto: Divulgação)

A grande da amostragem de nomes e obras permite ao leitor perceber detalhes do raciocínio criativo e as variações de solução construtiva e estética empregadas por cada um dos profissionais abordados. “[Nosso objetivo foi,] com essa amostra generosa, provocar a análise conjunta desses autores, das proximidades e peculiaridades de suas peças, das variações de linguagem ao longo dos anos”, explicam os organizadores no texto de apresentação.
O livro repassa os elementos de formação da gênese do design moderno brasileiro e tece uma análise que conduz o assunto até seu contexto atual de diálogo com a arte e valorização internacional. Há perfis biográficos sobre cada um dos principais autores apresentados e sobre as suas influências no design moderno de mobiliário.

 
A História do Móvel Brasileiro Moderno em livro (Foto: Divulgação)
A História do Móvel Brasileiro Moderno em livro (Foto: Divulgação)

Se você se interessou pela obra, ela já está na pré-venda no site da Editora Olhares por R$ 306,00. A agenda de lançamento é intensa. Hoje, dia 24 de novembro, será no Rio de Janeiro (Livraria Argumento, na Rua Dias Ferreira, 417, no Leblon, das 19h às 22h), amanhã em São Paulo (Galeria Bolsa de Arte, à Rua Rio Preto, 63, Jardins, das 11h30 às 16h) e em Miami durante o Design Miami no dia 7 de dezembro (Meridian Avenue & 19th street, às 4pm).

Tons acinzentados tendência de cores

18 de Setembro 2018 - 02:58
 

Tendência de cores: os novos tons acinzentados

Expert em cores da Pantone aponta para a tendência de interiores perfeita para quem busca experiências cromáticas novas

17/09/2018| POR PAULA JACOB | FOTOS REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO CASA VOGUE

Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)

Depois da casa preta, uma das grandes tendências em decoração para as próximas temporadas é o uso de tons acinzentados com fundo colorido. Isso acontece decorrente de fatores externos, como as grandes crises mundiais (econômicas, políticas e/ou sociais), que fizeram a população passar por momentos de insegurança e mudanças drásticas.

 

Décor do dia: quarto feminino decorado com verde e rosa (Foto: Reprodução)

O cinza era uma forma de representar essa falta de clareza no inconsciente coletivo. Contudo, para o final da década, ele aparecerá mais alegre e confortável, como uma forma de esperança em busca da alegria.

Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)
Décor do dia: quarto em tons de verde e texturas naturais (Foto: Divulgação)

“É uma tendência separada do preto, com outras aplicações e efeitos no dia a dia”, conta Blanca Lliahnne, expert do Cores Pantone, segmento da empresa que estuda tendências. “Esses ‘novos cinzas’ não necessariamente são mais fáceis de aplicar, é sempre importante fazer testes de combinações, estudar a espacialidade de cada cômodo e entender como aplicá-las da melhor maneira”, alerta.

Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)
Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)

Para essa tendência de cores, a Pantone indica usar as tonalidades do verde e azul acinzentado nas paredes, contrastando com móveis de design marcante. “Combinar subtons pode resultar em uma decoração sofisticada e contemporânea.” Como as cores são bem versáteis, é possível também incorporá-las nos estilos mais diversos, do boho ao escandinavo. 

Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)
Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)
Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)
Tendência de cores: os novos tons acinzentados  (Foto: Divulgação)

Madeira laminada colada

12 de Setembro 2018 - 02:51

Madeira laminada colada oferece liberdade na criação de projetos

A MLC da Rewood une a resistência do aço, a flexibilidade do plástico e a rusticidade da madeira. Em várias dimensões, cria projetos arquitetônicos com design livre

Redação Galeria da Arquitetura

Madeira laminada colada (MLC) aplicada como forro em área externa (foto: divulgação/Rewood)

A Rewood trouxe para a América Latina uma tecnologia de design inovador: a madeira laminada colada (MLC), produzida com madeira de reflorestamento. Além de benefícios como efeito estético e propriedades térmicas e acústicas, o material se destaca pela alta capacidade de carga e leveza, permitindo grandes envergaduras e diferentes formas.

No processo de instalação, as lâminas são coladas e dispostas de maneira que as fibras ficam paralelas entre si. Com isso, possibilita curvas e dimensões flexíveis, concedendo a liberdade necessária para a criação de projetos arquitetônicos.

“Como material de construção, a madeira é abundante, versátil e facilmente obtida. O ciclo de regeneração, ou campo de sustentação, pode facilmente superar o volume que é utilizado. Por isso, apostamos nesse material para compor nossa linha de produtos, com a MLC", afirma Calil Neto, proprietário da empresa.

VERSATILIDADE

A MLC atua perfeitamente como pilar, revestimento, deck e painel. Também pode ser aplicada em dois modelos de vigas: de dupla curvatura (para efeitos estéticos) e contínua (até 25 metros), que permite união por meio de ligações metálicas, vencendo vãos de até 100 metros (sem apoio).

 

Devido ao processo de instalação, onde as lâminas são coladas e dispostas lado a lado, a MLC oferece possibilidades de montagem infinitas para o projeto (foto: divulgação/Rewood)

RESISTÊNCIA

Muito resistente contra torções, a MLC é produzida com lâminas selecionadas e submetidas a um rigoroso processo de limpeza e correções de superfície. Durante o processo de fabricação, as peças de encaixe são usinadas, dispensando ajustes no canteiro de obras. Pode ser aplicada em áreas com alta salinidade ou que tenham histórico de corrosão.

COMPOSIÇÃO E INSTALAÇÃO

A MLC é fabricada com pinus e eucalipto, ambos de reflorestamento (foto: divulgação/Rewood)

O produto é feito com pinus e eucalipto de reflorestamento. Para união das lâminas, são utilizados entalhes múltiplos, também conhecidos como finger joints, ou cola (são escolhidos de acordo com o tipo da madeira e as condições que a estrutura estará submetida).

Menor peso, maior economia: muito leve, o material pode ser utilizado em fundações menores e mais baratas

Execução rápida: peças prontas de fábrica garantem precisão na montagem e menos tempo de armazenamento no canteiro de obras

Maior resistência a incêndios: a MLC mantém até 80% de sua capacidade estrutural abaixo da camada carbonizada. Já o aço perde sua capacidade de carga a partir de 600°C, derretendo a 1300 °C

Precisão normatizada: o processo de fabricação do material é de alta precisão em todos as etapas, com controle de qualidade que assegura as propriedades de resistência, atendendo à NBR 7190:1997, da ABNT.

Cabana 100% sustentável

06 de Setembro 2018 - 08:30

Designer finlandês cria cabana 100% sustentável e renovável

Robin Falck criou a cabana Nolla a partir de soluções sustentáveis, com zero emissão de poluentes

chat_bubble_outline more_horiz

Designer finlandês cria cabana 100% sustentável e renovável

– (Reprodução/Robin Falck)

Você consegue imaginar uma vida sem lixo? Cada vez mais iniciativas surgem para mostrar que é possível um futuro renovável e sustentável.

 
  •  
Designer finlandês cria cabana 100% sustentável e renovável

– (Reprodução/Robin Falck)

O designer finlandês Robin Falck criou a cabana Nolla a partir de soluções retornáveis, com zero emissão de poluentes.

A cabine tem 9m², dois colchões de camping, uma pequena cozinha e energia limpa – painéis solares fotovoltaicos estão instalados na parte externa.

 
  •  
  •  
O designer finlandês Robin Falck criou a cabana Nolla a partir de soluções sustentáveis

– (Reprodução/Robin Falck)

Localizada na ilha de Vallisaari, em Helsinki, capital da Finlândia, a hospedagem inteira de madeira pode ser alugada no Airbnb por 131 reais a noite.

O projeto de Falck tem o intuito de questionar a maneira como vivemos e mostrar que é possível construir uma casa com emissão zero de carbono.

A Nolla foi pensada como solução de moradia sustentável para festivais ou eventos – ela não precisa de parafusos ou pregos, pois é montada como um quebra cabeça.

Designer finlandês cria cabana 100% sustentável e renovável

– (Reprodução/Robin Falck)

Designer finlandês cria cabana 100% sustentável e renovável

– (Reprodução/Robin Falck)

Designer finlandês cria cabana 100% sustentável e renovável

– (Reprodução/Robin Falck)

Museu Café Filho funciona?

05 de Setembro 2018 - 11:06

Museu Café Filho recebe plataformas de acessibilidade e reforma de modernização

ASSECOM/RN09 Jan 2017 16:35

ASSECOM/RN

 

O Governo do Estado está reformando e modernizando as instalações físicas do Museu Café Filho. A previsão é que a reforma e adequações sejam entregues à população em Julho deste ano. O prédio receberá instalação de rampas de acesso, reforma nos banheiros, instalação de plataforma elevatória e sinalização em braile. Além de pintura, combate de pragas, instalações elétricas e de combate a incêndio, instalação de esquadrias, impermeabilização de cobertura, forro e climatização.

A presidente da Fundação José Augusto, Isaura Rosado, explica que a obra está dentro do prazo e que o trabalho que vem sendo feito é minucioso. “O prédio é tombado, exige cuidados redobrados da equipe de engenheiros, arquitetos e restauradores que trabalham nessa obra”, diz. 

A reforma está recebendo um investimento de R$ 196.906.96 (cento e noventa e seis mil, novecentos e seis reais e noventa e seis centavos), através do Governo do Estado, por meio do acordo de empréstimo com Banco Mundial, e integra a carteira de projetos do RN Sustentável. ''Nós que fazemos a FJA, estamos satisfeitos com todo o investimento que está sendo garantido para a sobrevida cultural. Os estudantes, historiadores e turistas vão poder conhecer um pouco mais da história de Café Filho, grande personagem da cultura potiguar, através das exposições que agora ganham mais interatividade e dinamicidade'', explica Isaura Rosado.  

O museu possui um acervo com documentos e registros fotográficos sobre o norte-rio-grandense Presidente Café Filho- único presidente da República nascido em solo potiguar.

 

O MUSEU

                No Museu Café Filho, o visitante se depara com a trajetória do único Presidente da República nascido em solo potiguar por meio de fotos, objetos e documentos. A história do político também é retratada através de uma biblioteca particular vinda do Rio de Janeiro, que fez parte da residência do presidente.

                O prédio construído entre 1816 e 1820 é sede do museu desde 1979, representando a primeira construção assobradada, ou seja, com mais de dois pavimentos, da história da cidade de Natal. Localizado na rua da Conceição, 601 - Cidade Alta, funciona de terça a sábado das 9h às 17h.

 

CAFÉ FILHO

O potiguar Café Filho, nascido em Extremoz, município situado no litoral do Estado do Rio Grande do Norte, distante cerca de 24 km da capital Natal, tornou-se presidente do Brasil entre 24 de agosto de 1954 a 8 de novembro de 1955.  A história política dele teve início quando foi eleito deputado federal em 1934 e 1945, após a redemocratização.

Em 1950, o partido ao qual pertencia, o PSP, indicou para ser vice na chapa de Getúlio Vargas. Café Filho assumiu a presidência da República imediatamente após a morte do então Presidente Getúlio. Mas, entregou o cargo a Carlos Luz, Presidente da Câmara dos Deputados, em novembro do ano seguinte, após ter sofrido um ataque cardíaco.

Após ser deposto, foi nomeado em 1961 pelo governador Carlos Lacerda para o cargo de Ministro do Tribunal de Contas da Guanabara até obter aposentadoria em 1969 e morrer aos 81 anos de idade no ano seguinte, na cidade do Rio de Janeiro.

Fragilidade dos nossos acervos

04 de Setembro 2018 - 02:03
 
 

Vida & Arte

História

Outros museus e institutos de pesquisa sofreram incêndios no Brasil

A tragédia no Museu Nacional do Rio de Janeiro causou grande impacto à memória do País e levantou o debate da preservação destes equipamentos

13:48 | 03/09/2018
O incêndio que destruiu o Museu Nacional na noite deste domingo, 2, consumiu boa parte de um dos mais importantes acervos do País e levantou o debate sobre a situação em que se encontram estes equipamentos de pesquisa e cultura no Brasil. Esta grande perda, porém, não é a primeira a acometer à memória dos brasileiros. Confira outros equipamentos que já passaram por grandes tragédias:
 
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro 
 

Atualmente, o equipamento está aberto e em funcionamento. Foto: Alexandre Macieira/Divulgação

 
Na mesma capital em que aconteceu a tragédia do Museu Nacional, há quatro décadas, o País assistia ao incêndio do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. O incidente aconteceu na madrugada do dia 8 de julho de 1978, com início na sala de som do equipamento. 
 
 

Sobre o assunto

 
Estima-se um prejuízo de cerca R$ 60 milhões, tornando-se uma das maiores perdas para a história da arte no Brasil. Obras de Pablo Picasso, Salvador Dalí e Joaquín Torres-Garcia foram perdidas, assim como quase todos os livros da biblioteca de artes visuais.
 
As causas do incêndio foram identificadas, como o curto circuito em uma instalação elétrica defeituosa. O equipamento passou três anos fechado, e quando reaberto precisou interromper as suas atividades por conta de outros problemas estruturais. Atualmente, após uma longa campanha de conscientização, o equipamento está em pleno funcionamento.
 
Memorial da América Latina
 

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

 
Em novembro de 2013, o Memorial da América Latina, projetado por Oscar Niemeyer, teve o seu auditório consumido pelas chamas. Seis bombeiros precisaram de atendimento médico por conta de intoxicação durante o combate ao fogo.
 
O espaço ficou fechado até dezembro de 2017, quando foi reaberto, preservando o planejamento arquitetônico original. Uma das maiores perdas foi a tapeçaria de Tomie Ohtake, considerada a maior do mundo, com seus 840 m². Durante a restauração, a obra foi refeita, agora, com material não-inflamável.
 
Cinemateca Brasileira
 
Espaço dedicado à preservação da produção audiovisual do Brasil, a Cinemateca Brasileira, na Zona Sul de São Paulo, passou por um incêndio em fevereiro 2016, deixando 270 títulos permanentemente perdidos. Além destes, foram destruídos outras 461 obras, mas estas possuíam cópias de segurança.
 
O equipamento já havia sofrido com incêndios em 1957, 1969 e 1982. O motivo da recorrência destes acidentes no local é a utilização de alguns materiais inflamáveis nas películas cinematográficas usadas até os anos 1950, o que pede uma atenção especial na preservação.
 
Museu da Língua Portuguesa
 

Foto: Daniel Mello/Agência Brasil

Em 21 de dezembro de 2015, uma segunda-feira, o centro de São Paulo assistiu ao incêndio do Museu da Língua Portuguesa. Durante o combate ao fogo, um dos membros da brigada de incêndio do equipamento morreu. Na ocasião a Estação da Luz do Metrô, que fica ao lado do Museu, foi fechada. Boa parte do acervo do equipamento foi incendiada, mas como estava armazenada virtualmente, ela pode ser recuperada.
 
Até hoje o espaço não foi reaberto e segue em reconstrução. O restauro da fachada e a conservação do que não foi atingido pelo incêndio já está concluído. Recentemente, foi reconstruída a cobertura do prédio histórico, e as obras na área interna devem começar neste mês. A previsão de retorno das visitações é para 2019.
 
Instituto Butantan
 
Considerado uma das maiores tragédias científicas do País, o incêndio no Instituto Butantan, em São Paulo, destruiu um acervo enorme de cobras, aranhas e escorpiões, alguns ainda não catalogados. A tragédia que aconteceu em maio de 2010 acabou com a maior coleção de espécies de cobras do País, além de uma quantidade gigantesca de aracnídeos.
 
Foram queimadas 77 mil serpentes já registradas e outras 5 mil ainda não catalogadas. Outros 178 mil exemplares de aranhas estavam dentro do equipamento, com 45 mil ainda não registrados. O prédio foi reinaugurado em 2013 e está aberto para visitação.
 

Azulejos portugueses tesouros da Europa

27 de Agosto 2018 - 03:07
 

Portugal – Cidade do Porto preserva azulejos das fachadas

 
Os azulejos são uma das características mais marcantes da arquitetura da Cidade do Porto, Norte de Portugal. Nesse sentido, o Banco de Materiais (BM), recolhe, conserva e restaura estes azulejos, cedendo-os aos cidadãos que queiram cobrir falhas nas fachadas.
 
A missão do BM é recolher pela cidade azulejos, gradeamento de varandas, beirais, estátuas e placas toponímicas. O diretor do Departamento Municipal de Museus e Patrimônio Cultural, onde está integrado o BM, diz que os azulejos são uma marca da cidade, por isso o interesse na preservação destes materiais.
 
O Banco de Materiais conta atualmente com mais de 45 mil azulejos de cerca de 800 estamparias. O material chega ao depósito pelas mãos dos próprios cidadãos e do serviço de Urbanismo da Câmara do Porto, ambos sensibilizado pela importância do azulejo para a cidade.Neste depósito, dois técnicos fazem a limpeza e o restauro das peças.Além da limpeza, é feito também um trabalho de identificação da origem dos exemplares, no âmbito da sua inventariação e seu pólo museológico.
 
 

 

Capela das Almas - Rua de Santa Catarina - Porto - Portugal

Fonte da Pesquisa: http://www.defender.org.br/portugal-porto-esta-a-preservar-os-azulejos-das-fachadas/

Azulejos portugueses são um dos 12 tesouros da Europa

 
Os típicos azulejos portugueses são um dos 12 tesouros da Europa para o The New York Times. O jornal norte-americano escolheu-os como símbolo principal da cidade de Lisboa numa lista que traça o perfil de uma dúzia de metrópoles europeias a partir dos seus maiores ícones, que vão desde a arte de rua aos chapéus ou à seda. Haverá um país mais azul que Portugal?, pergunta-se Seth Sherwoord, que assina o excerto do artigo dedicado à azulejaria nacional publicado na secção de Viagens do jornal do passado domingo, destacando a forma como o azul e branco dos azulejos se unem ao azul do céu e do Atlântico e ao espírito melancólico do Fado. Um pouco por todo o território português, os tradicionais desenhos azuis dos azulejos estão espalhados por igrejas, mosteiros, castelos, palácios, universidades, jardins, estações de comboio, halls de hotéis e fachadas de edifícios, escreve Sherwoord. O resultado, acrescenta, é uma terra embelezada com santos cristãos, episódios bíblicos, reis portugueses, glórias históricas, cenários idílicos, atividades de lazer aristocráticas, paisagens marítimas, desenhos florais e, principalmente, motivos geométricos. O norte-americano dá destaque à casa Solar, um estabelecimento com 60 anos de existência situado em Lisboa que se especializa nos azulejos - desde o século XV até à década de 1930 - e que chegou, recentemente, a Nova Iorque, pela mão de um familiar do dono que abriu naquela cidade um novo 'showroom' para os dar a conhecer aos EUA. O azul e o branco são as protagonistas, mas cores como o amarelo, o verde e o castanho também desempenham, por vezes, papéis secundários, explica o artigo, que revela que os preços dos azulejos podem começar nos 20 euros e ir até aos 9.300 euros no caso de um painél do século XVIII disponível na Solar. Na peça publicada no The New York Times, Seth Sherwood dá ainda destaque ao nome de Rafael Bordalo Pinheiro, um ilustrador e ceramista do século XIX muito aclamado e cujo trabalho já foi adquirido pelo British Museum [em Londres, Inglaterra].

Fonte: http://www.ruralea.com/tematico.php?ativ=10&local=511
 




















 

Cobertura em NY

22 de Agosto 2018 - 03:33

Meryl Streep coloca cobertura em NY à venda por quase 100 milhões de reais

Apartamento de 366 metros quadrados tem quatro quartos e vista para o Rio Hudson

21/08/2018| DA REDAÇÃO | FOTOS REPRODUÇÃO CASA VOGUE

Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução / Douglas Elliman)

A atriz norte-americana Meryl Streep colocou recentemente a sua cobertura localizada no bairro Tribeca, em Nova York, à venda por 24,6 milhões de dólares (cerca de 99,6 milhões de reais).



Segundo o site Curbed, essa venda ocorreu oito meses após a atriz e o seu marido, Don Gummer, adquirirem uma casa em Pasadena, na Califórnia

O apartamento de cerca de 366 m² tem quatro quartos, quatro banheiros, um lavabo e vista para o Rio Hudson. Os pisos são de madeira.

A entrada do elevador dá acesso a um hall privado e uma claraboia ilumina as salas de estar e jantar. As janelas dos quartos vão do teto ao piso.



Confira:

 
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)
Meryl Streep coloca cobertura de NY à venda por quase 100 milhões de reais  (Foto: Reprodução)

Desigualdade vista de cima

16 de Agosto 2018 - 03:52

Com drone, fotógrafo registra desigualdade em cidades pelo mundo

Johnny Miller fez fotos em lugares como Cidade do México, Tanzânia, Mumbai e Joanesburgo

16/08/2018| REDAÇÃO| FOTOS JOHN MILLER REPRODUÇÃO / UNEQUAL SCENES

Por meio de drone, fotógrafo registra desigualdade em cidades pelo mundo (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )Desigualdade: Cidade do México (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )

Utilizando um drone, o fotógrafo Johnny Miller conseguiu registrar a desigualdade social refletida no espaço urbano em lugares como Cidade do México, Tanzânia, Mumbai e Joanesburgo.


O projeto se chama Unequal Scenes (Cenas Desiguais, em tradução livre) e surgiu quando Miller se mudou para a África do Sul para fazer faculdade de antropologia na Cidade do Cabo. Com as primeiras fotografias, conseguiu registrar a herança do apartheid, política de segregação racial que vigorou no país entre os anos 1940 e 1990.

Por meio das fotos, Miller conseguiu ver condomínios fechados ainda dominados por brancos e outros bairros superlotados de população predominantemente negra.

Confira algumas imagens: 

 
Por meio de drone, fotógrafo registra desigualdade em cidades pelo mundo (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )Foto tirada na Cidade do Cabo, onde Miller iniciou o seu trabalho (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )
Por meio de drone, fotógrafo registra desigualdade em cidades pelo mundo (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )Desigualdade: Joanesburgo (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )
Por meio de drone, fotógrafo registra desigualdade em cidades pelo mundo (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )Foto feita em Mumbai (Foto: Reprodução / Unequal Scenes, por Johnny Miller )

Arquitetura em prol do alzheimer

13 de Agosto 2018 - 01:49

França terá condomínio exclusivo para pacientes com Alzheimer

Nos moldes de uma pequena cidade, o espaço deve estar pronto para funcionar em 2019

09/08/2018| POR GIOVANNA MARADEI | FOTOS: DIVULGAÇÃO casa vogue

França terá condomínio exclusivo para pacientes com Alzheimer (Foto: Divulgação)

Localizado na cidade de Dax, sudoeste da França, o Village Landais Alzheimer é uma espécie de condomínio desenvolvido exclusivamente para pessoas que sofrem de Alzheimer. A clínica mesclada com casa de repouso foi projetada pelos dinamarqueses do Nord Architects, que procuraram criar um ambiente no qual os pacientes se sintam livres, fiquem em contato com a natureza e estejam, ao mesmo tempo, seguros.
Pensada para abrigar cerca de 20 pacientes, 100 cuidadores, 12 voluntários e uma equipe de pesquisadores, o condomínio possuí infraestrutura semelhante a de uma pequena cidade, com supermercado, cabeleireiro, biblioteca, academia e até uma pequena fazenda. Já os dormitórios serão casas compartilhadas, projetadas para refletir os gostos pessoais de seus moradores e distribuídas em quatro bairros.

França terá condomínio exclusivo para pacientes com Alzheimer (Foto: Divulgação)

Com caminhos sempre muito seguros, mas sem cercas, em vez de optar pela arquitetura moderna, a vila ainda foi projetada para se parecer com o tradicional centro histórico de uma cidade medieval, o que a integra aos outros edifícios de Dax e garante que os pacientes não se sintam desorientados.

França terá condomínio exclusivo para pacientes com Alzheimer (Foto: Divulgação)


 

A inspiração para o complexo veio de uma instalação similar construída em Weesp, na Holanda, com o objetivo de tornar a vida de pacientes com demência mais pacífica e feliz. No caso da Vila francesa, no entanto, a clínica ainda conta com um núcleo de pesquisa dedicado a investigar os resultados do tratamento que está sendo desenvolvido.

Segundo o site The Spaces, o Landais Alzheimer deve custar cerca de US $ 34 milhões (financiado principalmente pelo governo) e será aberto até o final de 2019.

 

Adapte sua casa para gatos

09 de Agosto 2018 - 09:00

5 ideias práticas para adaptar sua casa para os gatos

Uma lista de soluções que se mesclam à decoração e deixam o lar muito mais gostoso para os felinos

08/08/2018| POR GIOVANNA MARADEI | FOTOS: REPRODUÇÃO casa vogue

Quem tem animal de estimação sabe, não demora muito para que eles se tornem os verdadeiros donos da casa - especialmente quando o animal, no caso, é um gato. Famosos por explorar cada cantinho da residência, estes curiosos bichos alcançam os lugares mais altos e mais estreitos. Uma mania que pode parecer um desafio invencível para quem ama decorar casa, e ter muitos itens espalhados pelas salas e quartos. Mas acredite, essa também é uma oportunidade de inovar no décor.



Para provar o nosso ponto, separamos aqui 6 soluções de decoração para ajudar você adaptar a casa e torná-la um lugar não só perfeito para receber os humanos, mas os gatos também!

1. Aposte em prateleiras
Um apartamento funcional para um casal com uma filha e três gatos (Foto: Divulgação)Um apartamento funcional para um casal com uma filha e três gatos (Foto: Divulgação)

Os gatos adoram brincar e ficar em locais bem altos. Então por que não criar uma trilha desafiadora e organizada para ele? Foi o que fez, por exemplo, esse casal paulistano ao criar, no quarto da filha, uma escada na parede, e uma passarela bem rente ao teto, usando apenas prateleiras de diferentes tamanhos - e da mesma cor e padrão da usada para guardar os livros.

2. Faça do brinquedo um item de decoração
Uma casa para gatos com design integrado ao ambiente (Foto: Hey!Cheese Photography/ Divulgação)


 

Uma casa para gatos com design integrado ao ambiente (Foto: Hey!Cheese Photography/ Divulgação)

Muito melhor do que tentar esconder os brinquedos e casinhas que você acabou comprando para divertir seu gato, é assumi-los como peças integrantes e importantes para a casa. Foi o que fez o estúdio de design INDOT. Neste apartamento, o playground dos gatos não só foi projetado no mesmo padrão da decoração, mas tornou-se um dos protagonista da sala de estar - e com certeza da vida dos animais.

3. Libere espaços que você já tem
Uma casa feita para apaixonados por gatos e livros (Foto: ©2017 Francis Dzikowski/OTTO)
Uma casa feita para apaixonados por gatos e livros (Foto: ©2017 Francis Dzikowski/OTTO)

Uma estante mais alta, um corrimão mais grosso, o batente da janela, são alguns espaços que você tem em casa e podem ser facilmente transformados em passarelas para os gatos. Basta reorganizar alguns objetos e pronto, seu gato terá uma trilha tão desafiadora quanto essa criada no topo de uma prateleira no Brooklyn, nos Estados Unidos.

4. Faça alguns furos nos móveis
IKEA lança coleção de móveis para cachorros e gatos (Foto: Divulgação)
Escrivaninha com túneis para gatos brincarem (Foto: Divulgação)

Não é só por cima ou por baixo que seu gato pode passar por um móvel. Com uma pequena adaptação, ou seja, com alguns buracos na lateral, armários, como estes lançados pela IKEA, ou até mesas, podem se transformar em playgrounds completos.

5. Reutilize cordas e outros materiais simples
Sistema modular permite montar uma verdadeira cidade para o seu gato (Foto: Divulgação)
40 opções de presentes para pets e fãs de animais (Foto: Divulgação)


Uma corda de sisal pode transformar até os itens mais simples no arranhador favorito do seu gato, como acontece na prateleira Brincat, da Tok Stok, listada na coluna Casinha Vogue como uma das 40 opções de presentes para pets e fãs de animais. O mesmo vale para  caixas de papelão, que são fáceis de customizar e podem ser transformadas em um verdadeiro sistema modular para o seu gato brincar

Morar bem é legal

08 de Agosto 2018 - 11:20
 

“Morar Bem é Legal” é o mote de nova Campanha Publicitária do CAU/RJ

Slogan foca no direito à assistência técnica para habitação de interesse social, além do direito à moradia digna e à cidade

7 de agosto de 2018
 

Para conscientizar o grande público sobre o direito constitucional à moradia e à assistência técnica em habitação de interesse social, além de aproveitar o momento eleitoral para inserir a pauta no debate político, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ) lança a Campanha “Morar Bem é Legal”. A palavra “Legal” tem neste caso dois sentidos: o legal jurídico (de acordo com a lei, legítimo, lícito) e o legal do muito bom (formidável, perfeito, ótimo, notável, especial).

De acordo com o presidente do CAU/RJ, Jeferson Salazar, a ideia foi usar um conceito leve para falar de um assunto de extrema importância e sem tirar a seriedade e a integridade da campanha. “A estratégia é fazer com que o tema, ainda muito pouco conhecido, atinja o público e desperte a sua atenção”, avalia Jeferson.

Estão sendo veiculados spots em rádios da capital, na região metropolitana e no interior do Rio de Janeiro. Algumas linhas de ônibus estão circulando com anúncios. A ação conta ainda com hotsite que reúne informações sobre o direito à moradia, notícias, publicações diversas, entre outras informações. O endereço é www.caurj.gov.br/moradiadigna. Cartazes e cartilhas também serão distribuídas em todo o estado.

O público-alvo da campanha são famílias com renda de até três salários mínimos, moradores de assentamentos irregulares/favelas, além de formadores de opinião, entidades de arquitetura e urbanismo, engenharia, assistência social, entre outros. “Também queremos mobilizar os candidatos ao legislativo e ao executivo e gestores públicos municipais para que se engajem e ajudem a tornar a lei uma realidade e os projeto se concretizem. Nosso objetivo é mobilizar a população para que ela cobre por este direito”, conclui Jeferson.

A veiculação da campanha nas rádios e ônibus seguem até o fim do mês de agosto. É intenção do Conselho promover um grande evento para discutir o tema.

O que esta contecendo com as nossas árvores?

07 de Agosto 2018 - 03:02

o que esta contecendo com as nossas árvores?, que reforma e preservação são essas?

Prédio histórico no bairro da Ribeira,Antiga estação central.

Antiga fábrica borborema , no inicio do anel viário da ufrn, vizinho a um orgão público.

Maquina zero,fica dificil entender o motivo da retirada total das árvores,lembrando que a tarde durante todo ano a fachada é totalmente de sol, vai gerar um desconforto térmico ao prédio como tambem o aumento de consumo de energia.

imgens do google

imagem do google