Esportes

em 12 março, 2018

Caso da possível sonegação fiscal de Neymar chega ao fim

Após alcançar vitória no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), pondo fim ao caso de uma possível sonegação fiscal do jogador Neymar entre 2011 e 2013, a Receita Federal desistiu do recurso contra essa decisão no processo fiscal que chegaria hoje a 200 milhões (com correção monetária)

Em depoimento, Altamiro Bezerra, CEO das empresas de Neymar, relatou: "A procuradoria desistiu do recurso porque nós obtivemos a vitória no caso. O caso está encerrado, nada mais pesa contra nós".

Segundo o ESPN, canal por assinatura, Neymar vendeu para as empresas do pai os direitos sobre a exploração de sua imagem. Em contrapartida, a NR Sports e a N & N Consultoria pagaram um valor fixo ao jogador e passaram a ficar com as suas receitas de imagem, marketing e patrocínios. Segundo a acusação Receita, esses valores pertenceriam a pessoa física de Neymar – a alíquota nesse caso seria de 27,5%, contra 15% a 20% no caso de imposto de renda de pessoa jurídica, ou 9% em contribuição sobre o lucro de empresas.

O Carf considerou, para argumentar sua defesa, que as próprias empresas e o jogador são entes distintos, tendo em vista que o atacante não é sócio em nenhuma delas. Assim, seria natural a negociação de seus direitos de imagem sem nenhum tipo de simulação.