Marca Maxmeio

Arquitetura


14 de dezembro de 2017   -   16:49:35

Prêmio Riba 2018

Projeto de Aleph Zero e Marcelo Rosenbaum concorre ao RIBA 2018

Complexo que abriga moradas infantis de escola no Tocantis figura na shorlist do prêmio que elege o edifício mais inspirador do mundo

14/12/2017| POR REDAÇÃO | FOTOS: DIVULGAÇÃO

casavogue

O Royal Institute of British Architects (RIBA) acaba de anúnciar a lista dos 62 projetos que vão concorrer ao RIBA International Prize 2018. A competição bienal, que está em sua segunda edição e busca eleger o melhor "novo edifício" do mundo, lançou uma shortlist com nomes de 28 países diferentes, incluíndo um brasileiro


As moradas Infantis criadas por Alephzero e Marcelo Rosenbaum, para escola da Fazenda Canuanã, no Tocantins, foram selecionadas pelo prêmio e figuram na lista ao lado de outros grandes projetos, como o imponete Zeitz MOCAA, Museu de Arte Contemporanea Africana, construído na Cidade do Cabo, além de edifícios assinados por BIG, Zaha Hadid Architects e Foster + Partners e assim por diante.

"A presença em uma lista como a do RIBA, juntamente com profissionais que tanto admiramos, nos ajuda, como brasileiros a compartilhar um conhecimento arquitetônico nacional e latino americano", comentou Gustavo Utrabo, da Aleph Zero. 

 
Marcelo Rosenbaum projeta escola no Tocantins com ajuda de aluno (Foto: Leonardo Finotti)
Projeto de Marcelo Rosenbaum concorre ao RIBA 2018 (Foto: Divulgação)
Projeto de Marcelo Rosenbaum concorre ao RIBA 2018 (Foto: Divulgação)

O único representante da América do Sul, não chama atenção apenas pelo resultado final, mas por todo o seu processo de criação - que incluíu, por exemplo, reuniões com as crianças que ali iriam viver, para que elas participassem do processo de criação do projeto, e ainda uma profunda pesquisa de materiais que não só assegurassem o bem estar dos jovens moradores, mas também resgatassem as tradições da região.  

"Foi um trabalho colaborativo, um trabalho justo, de pensar como nós como profissionais podemos usar arquitetura como ferramenta de transformação social e, agora, esse prêmio internacional nos da oprtunidade de mostrar para o mundo esses nossos saberes ansestrais, essa beleza que tem aqui escondida no nosso país", comentou Marcelo Rosenbaum.

A origazação explica que o prêmio traz atenção internacional para os edifícios, novos, mais inspiradores e significativos de todo o mundo e também para uma variedade de talentosos líderes da indústria e clientes que, por sua vez, encomendaram esses prédios.

O RIBA International Prize foi aberto a qualquer arquiteto registrado no mundo. Um juri selecionou os 62 projetos participantes do shortlist e, agora, duranmte o ano de 2018, os escolhidos serão visitados, pessoalmente, para que quatro sejam nomeados finalistas. O grande vencedor? Saberemos em novembro de 2018 - mas desde agora estamos com os dedos cruzados.

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


30 de outubro de 2017   -   08:34:30

Evento mostra Marilia Bulhoes

 

Natal poderá conferir de perto, nesta quinta-feira (26), às 19h, na Officina Interiores, a aguardada mostra de Marília Bulhões, artista plástica potiguar com trânsito internacional. A curadoria do evento apresenta uma ousada composição de 16 obras, extraídas de sua mais recente produção, inspirada em sua estada nos EUA e América Central, nos últimos anos.

A maior parte das telas abstratas em acrílico é inédita, mas alguns trabalhos já foram expostos e premiados no exterior, a exemplo de “Corales de Roatán”, que recebeu menção honrosa na IV Bienal – UNAH de Honduras, em 2016, e do díptico exposto no Museu MIN de Tegucigalpa, resultante de sua participação como convidada especial nas comemorações alusivas ao dia internacional da mulher, na capital hondurenha, este ano.

Para a curadora internacional Roxana Martín, que a acompanhou em Washington, D.C., “Bulhões criou uma paisagem em evolução que pulsa com a energia do Brasil contemporâneo. Seu trabalho tem uma luminosidade que se propaga mesmo em suas tonalidades mais escuras. Ela aplica tinta em camadas, com suaves pinceladas com textura, que destacam a granulação da tela. A cor é transparente e as formas são, ao mesmo tempo, firmes e sutis. Enquanto algumas das pinturas refletem de imediato a tradição, outras são mais ousadas, com a inquietação do desconhecido. Todas conduzem o espectador a um espaço de diálogo e exploração. Trata-se de um trabalho tenaz, maduro, que combina beleza, imaginação e arte.”

A mostra, que tem apoio da FastFrame, está sendo organizada pelo StudioTres Arquitetura, escritório que representa a artista no Brasil, e parte da renda obtida com o evento será revertida para a AMICO, instituição beneficente que cuida de crianças cardiopatas.

 

espaço pronto para receber os convidados

       Juliana Bulhoes - Barbara Negreiros- Clarissa Alves- Erika Raposo- Renato Raposo

Juliana Bulhoes e Mariana Aurelio, ambas do escritorio que representa a artistaM arilia Bulhoes na

o Brasil. E responsavel pela curadoria e montagem da mostra: studiotres arquitetura

www.mariliabulhoes.com

bulhoes.marilia@gmail.com

instagram:marilia_bulhoes

face:Marilia Bulhoes studio tres arquitetura 84 99941 6644

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


23 de outubro de 2017   -   15:18:01

Casa de papelão em um dia.


Casa sustentável de papelão pode ser montada em apenas um dia

Material é de alta resistência e ainda recebe revestimento de folhas impermeáveis e madeira para suportar chuvas

07/10/2017| POR MARCEL VERRUMO | FOTOS DIVULGAÇÃO

 (Foto:  )

A Fiction Factory, empresa holandesa de cenários teatrais, apresentou ao mercado a wikkelhouse, uma casa de papelão que pode ser construída em apenas um dia. As paredes da morada são feitas a partir de uma estrutura de papelão de alta resistência, a qual é formada por 24 camadas envolvidas em um molde central (essa característica de molde envolvido é o que dá nome ao produto que, em inglês, pode ser traduzido como “envolver a casa”).

 

 (Foto:  )

Ao contrário do que possa parecer à primeira vista, o fato de ser uma estrutura de papelão não faz com que a casa seja leve ou fácil de ser montada por um amador. Cada uma das “peças-paredes” que compõem a morada pesa cerca de 500 kgs, quantidade transportada pela própria Fiction Factor

 (Foto:  )
 (Foto:  )

Para evitar que a casa se deteriore com o tempo, o exterior da wikkelhouse é revestido com uma folha impermeável e com painéis de madeira, os quais protegem a estrutura interna, além de blindar os moradores de chuvas e outras adversidades.

 
 
 (Foto:  )

A estrutura é perfeita para casas temporárias e que precisam ser construídas com rapidez e eficiência, tanto em ambientes rurais quanto urbanos. Para quem mora no Brasil, a notícia ruim é que a wikkelhouse é comercializada apenas na Holanda, Bélgica, França, Alemanha, Reino Unido e Dinamarca.

 

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


12 de setembro de 2017   -   11:07:46

Para viver a natureza

 

Uma casa para viver a natureza intensamente

Madeira, vidro e um terraço de contemplação levam a uma convivência intensa com os jardins e árvores ao redor desta morada no México

10/09/2017| TEXTO CAROL SCOLFORO | FOTOS CCÚBICA/DIVULGAÇÃO

vogue

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)

O trânsito, o caos urbano, um dia cheio no trabalho. Todas as grossas experiências que se pode ter na rua são esquecidas ao entrar nesta casa, na Cidade do México. Essa era a ideia inicial que o escritório de arquitetura mexicano C Cúbica Arquitetos tinha ao criar o projeto, apostando em muita madeira, vidro e em uma vivência intensa com o verde e a luz do dia. Por isso ela foi batizada de Casa Del Suspiro. “O clima cálido da entrada rouba ao menos um suspiro dos moradores e de seus convidados”, explicam os arquitetos Emilio Cabrero, Andrea Cesarman e Marco Coello.

 

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)


A sensação refrescante se dá logo no jardim, que cria uma atmosfera suave na entrada da residência. Ainda que o entorno seja urbano e moderno, o verde acompanha a vista de praticamente todos os ambientes dos quatro pavimentos. A leveza e a naturalidade com que a madeira é usada traz um visual caloroso, sem exigir muitos complementos tanto na área externa como nos interiores.

 

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)

A madeira reveste a casa, toma as paredes com prateleiras e está nos móveis que compõem os espaços. Na cozinha, o material dá forma a um armário com cara de feira natural, que exibe os legumes e os deixa à mão. Perto dali, a sala de jantar integrada ao living mostra a fluidez e a amplitude da arquitetura.

 

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)


Aconchego e conforto são as prioridades na escolha dos móveis de tons claros. Para colorir os ambientes, basta o verde dos jardins, que surge por meio das enormes janelas de vidro. No quarto de casal, essa estratégia vai além: um terraço de contemplação com pergolado permite que os moradores relaxem em meio à copa de uma das árvores do terreno.  

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


01 de agosto de 2017   -   11:06:01

Mula preta design poltrona basquete

 

Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m²

Projeto urbano com um toque rústico para o proprietário velejador

01/08/2017| POR AMANDA SEQUIN | FOTOS DIVULGAÇÃO casa vogue

Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)

"Com um toque rústico, mas sem deixar a jovialidade de lado". Esse era o desejo do proprietário para a reforma e decoração de seu apartamento, e prontamente acatado pelo escritório de arquitetura Tucah Campos. Velejador, ele buscava trazer um pouco da atmosfera praiana para dentro do lar, situado no bairro Aclimação, em São Paulo. 

 

Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)

A escolha dos materiais partiu da mistura entre praia e cidade e, em apenas três meses, o layout de 90 m² com dois quartos ficou pronto. Algumas mudanças estruturais foram feitas para deixar o conjunto prático e totalmente integrado. A sala de estar, por exemplo, ganhou amplitude ao incorporar a varanda assumindo os pilares estruturais sem qualquer painel ou outro item que atrapalhasse a fluidez visual.
 

Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)
Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)

Também aberta ao living, a cozinha adota sofisticados tons de cinza, cor que predomina em no décor do projeto. Toda a lateral ganhou armários com cavas discretas, que começam da antiga varanda e seguem até o corredor. Ali, a lavanderia também fica camuflada pelas portas foscas.  

Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)
Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)

A decoração acinzentada contempla o visual urbano industrial, mas são outros detalhes que trazem o rústico desejado pelo morador: os tijolos de revestimento e a madeira. Os bricks laranjas foram aplicados na sala, formando um L, enquanto no quarto adotam a cor do concreto. Já a madeira também segue a paleta de cinzas, sendo aplicada no painel do living que guarda um discreto lavabo. Os mobiliário solto, por sua vez, dá o arremate final para um resultado contemporâneo. 

Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)
Decoração cinza e tijolinhos marcam apartamento de 80 m² (Foto: Divulgação)

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


18 de julho de 2017   -   14:19:56

Prédio abandonado em Copenhague

Prédio abandonado virou edifício "cool" em Copenhague

Projeto assinado pelo escritório COBE faz parte do plano de revitalização da área industrial da cidade

16/07/2017| POR GIOVANNA MARADEI | FOTOS: DIVULGAÇÃO

Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)

Com 17 andares, o mais novo e descolado edifício de North Harbour, bairro portuário de Copenhague, na Dinamarca, foi usado durante 50 anos para armazenar grãos - até que se tornou completamente obsoleto.



Agora, o prédio abandonado ganha nova vida - e personalidade -  com o projeto do escritório de arquitetura COBE - que sem tirar a alma do armazém, e aproveitando a robusta estrutura de concreto, criou um residencial de dar inveja no melhor do estilo industrial.

Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)
Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)

"extreme makeover" começou na fachada. Atendo aos clientes Klaus Kastbjerg e a NRE Denmark, os arquitetos instalaram uma superfície de aço angular cuja pátina presta homenagem ao passado industrial da área. Ainda foi preciso abrir espaço para janelas e varandas que se encaixam em todos os quatro lados do prédio

Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)

Já no interior, os 38 apartamentos tem tamanhos que variam entre 106 e 401 m², todos com pé direito de 7m e piso de concreto, já que a intenção era criar ambientes próximos da estrutura original.

Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)
Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)

O antigo depósito é o maior dos edifícios industriais da área e por isso, além de abrigar apartamentos, incorporou alguns espaços públicos, incluindo um restaurante no andar superior e um espaço de eventos no piso térreo.

Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)
Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)

Angulado e imponente, o edifício é o projeto central de um grande plano de revitalização  de North Harbour. A área originalmente industrial está sendo transformada em um bairro residencial e de uso misto, ganhando outras áreas novas, como o Park + Play criado pelo JAJA Architects, que fica bem ao lado do prédio.

Prédio abandonado virou edifício cool em Copenhague  (Foto: Rasmus Hjortshoj)
 

 

Comentar (0) Curtir Twitter

EDIÇÃO N° 54 - DEZEMBRO DE 2017