Marca Maxmeio

Arquitetura


10 de maio de 2017   -   11:09:09

Arquitetura & Moda

Obras arquitetônicas inspiram as criações de Vitorino Campos

Estilista baiano traduz a brutalidade física das construções em peças-desejo

09/05/2017| POR PAULA JACOB | FOTOS DIVULGAÇÃO  vogue

David Chipperfield– Vitorino Campos AW17 (Foto: Divulgação)

Enxergar, elaborar e traduzir a essência feminina para transformá-la em algo físico é, por si só, uma obra de arte. Isso porque não existe um estereótipo geral para enquadrar todas em uma só figura, imagem ou tendência. Prova disso é o estilista Vitorino Campos que segue à frente da sua marca homônima e da Animale, produzindo peças para identidades femininas opostas, mas com ares de elegância indiscutível. A explicação para tal maestria deve-se a inspiração principal de suas coleções, a arquitetura.

 

Carlo Scarpa – ANIMALE AW17 (Foto: Divulgação)

O encontro de opostos, como delicadeza e força, ou timidez e ousadia, coloca a favor dos admiradores e clientes do trabalho de Vitorino uma verdadeira aula de história arquitetônica, feita para vestir. “São mulheres contemporâneas, fortes, que primam pelo belo, pela qualidade e valorizam roupas bem feitas”, explica ele. De primeira, pode parecer impossível visualizar as David Chipperfield ou Carlos Scarpa em um vestido, mas para o estilista baiano nenhuma referência precisa necessariamente resultar em algo óbvio - vide seus últimos desfiles.

 

Tadao Ando – ANIMALE AW16 (Foto: Divulgação)

“São inspirações que vêm a partir do estudo que uma obra ou arquiteto nos traz, daí traduzimos tudo sob a minha ótica. Escadas viram plissados, shapes orgânicos se tornam vestidos de seda, ângulos retos se transforma em recortes geométricos”, comenta Vitorino Campos, que adora, inclusive, transformar materiais usados pelos arquitetos em brincos, aviamentos, detalhes e até cores. “Uma estrutura metálica pode se tornar uma bolsa; uma porta, um bolso. Tudo depende do olhar que se tem.”

 

Carlo Scarpa – ANIMALE AW17 (Foto: Divulgação)

Por mais que o diálogo entre diferentes áreas seja necessário para uma explosão de produções autorais e cheias de histórias, muitas vezes não damos conta de que a arquitetura e a moda, em específico, podem sim mesclar suas trajetórias. No caso de Vitorino, a admiração das formas surgiu junto com o interesse pela arte e música, comprovando a intersecção entre as vertentes. “Acredito que é na observação do mundo que o senso estético vai se apurando. Meu encanto foi se formando desde a infância, onde convivi com a riqueza arquitetônica da Bahia, e a partir da descoberta de artistas que eu pesquisei, exposições que assisti, viagens que fiz. Considero a arquitetura algo muito inspirador para meu universo profissional”, revela.

 

Tadao Ando – ANIMALE AW16 (Foto: Divulgação)

Dentre as recentes paixões, Tadao Ando foi fonte primária para a elaboração da coleção do inverno 2016 da Animale. “Fiquei encantado pelas linhas limpas e simples e o uso da luz natural como elemento arquitetônico”, comenta Vitorino. Nas peças, observe os recortes concisos, o jogo entre fluidez e resistência e a paleta sutil, que surge acompanhada de tons mais fortes, como um elemento surpresa das obras de Ando.

 

Zaha Hadid – Vitorino Campos SS17 (Foto: Divulgação)

Há também um pouco de Zaha Hadid em Vitorino. “Fico abismado com a capacidade dela em transformar estruturas e materiais tão pesados em curvas tão leves. São obras contemporâneas repletas de personalidade.” As listras diagonais, o movimento do tecido e o uso de veludo sobreposto a transparência revela a delicadeza do olhar do estilista em traduzir as obras da arquiteta em peças de leveza ímpar.

 

David Chipperfield– Vitorino Campos AW17 (Foto: Divulgação)

Entre os marcos arquitetônicos, Vitorino ressalta Oscar Niemeyer e Renzo Piano. “Impossível ser brasileiro e contemporâneo de Niemeyer e não citar sua obra. Brasília por si só é um marco histórico e artístico transformador. A genialidade do arquiteto é observada principalmente na Catedral de Brasília - feita somente com uma peça de concreto repetida 16 vezes”, encanta-se. Para o segundo nome citado, Vitorino indica o museu George Pompidou, em Paris, uma quebra de estética no meio da cidade. “Foi um choque para os franceses a vanguarda do museu com seus tubos coloridos à mostra, aquele exoesqueleto no meio da cidade em choque com os prédios tradicionais. Ele traduz a arte contemporânea em si mesmo. É incrível.”

VEJA AQUI: O lar de Li Edelkoort em Paris

Tadao Ando – ANIMALE AW16 (Foto: Divulgação)

Com tantas opções para observar, o universo de Vitorino Campos não poderia se dar de outra forma. Transcender as barreiras da moda, da arquitetura, design, arte, ou o que for, mostra como tudo está sempre interligado, basta construir o olhar. “A simbiose é ideal. O escopo dos projetos vem das formas, das estruturas, das linhas e proporções. Um milímetro pode transformar tudo. A moda está na cidade, ela vive e vem da arquitetura, do design.”

Zaha Hadid – Vitorino Campos SS17 (Foto: Divulgação)
Carlo Scarpa – ANIMALE AW17 (Foto: Divulgação)

Vitorino Campos (Foto: Divulgação)

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


09 de maio de 2017   -   10:58:43

Edifícios assinados(além do copan)

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan)

Prédios lindos, construídos por arquitetos renomados, que você ainda pode chamar de lar

09/05/2017| POR GIOVANNA MARADEI. VOGUE

Além do tamanho do apartamento ou da localização do prédio, a arquitetura do edifício pode influenciar, e muito, a experiência do morar em uma cidade. Em São Paulo, isso não é diferente. Por isso, entre prédios murados e padronizados, destacam-se obras mais antiga, projetadas por arquitetos hoje bastante renomados que tinham em comum a nobre proposta de criar edifícios que dialogassem com a cidade que cresceu ao seu redor.   



Pensando nisso, selecionamos os top 10 edifícios assinados (além do Copan que já mais do que conhecido) que você ainda pode escolher como lar. São prédios cheios de história que marcam presença aonde estão, sejam bairros nobres da cidade, como Higienópolis, ou mesmo o tradicional Centro antigo de São Paulo.  

1. Edifício Cinderela - João Artacho Jurado



 

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)

Localizado na rua Maranhão, no bairro de Higienopolis, o Cinderela foi inaugurado em 1956, tem 10 andares e, embora as varandas contínuas disfarcem, tem dois blocos com dois 2 apartamentos por andar cada. 

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)

Neste edifício, o salão de festas fica no topo, aonde um amplo jardim conecta os dois blocos do prédio.

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)
2. Edifício Esther - Álvaro Vital Brazil
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Divulgação)

Projetado entre 1934 e 1938 pelo engenheiro e arquiteto Álvaro Vital Brazil, o Edificio Esther, que fica no Centro de São Paulo, tem 10 andares que abrigam 103 unidades, nas quais misturam-se apartamentos comerciais e residenciais. Um marco da verticalização em São Paulo, o edifício tem caido na graça dos paulistanos e hoje abriga até mesmo um dos restaurantes do chef Olivier Anquier.   

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Milena Leonel)
3. Edifício Germaine Burchar - Enrico Brand


 

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Divulgação)

Projetado por Enrico Brand na decada de 30, o edifício Germaine foi o primeiro "flat" da cidade de São Paulo. Nele ficavam fazendeiros que vinham para a cidade a trabalho e queriam abrir mão dos casarões sem deixar o luxo de lado. 

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Divulgação)

O prédio ainda abrigou duas redes de hotéis diferentes, até ser vendido no ínicio deste século quando, com a colaboração do arquiteto Pierre Mermelstein viu suas suítes virarem apartamentos residenciais de 38 a 75 m2. 

4. Edifício Louveira - Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Divulgação)

Clássico representante da arquitetura moderna em São Paulo o edifício Louveira, localizado no bairro de Higienópolis, foi projetado em 1946 pelos renomeados arquitetos João Batista Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi.

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Divulgação)


 

Com duas torres, uma com 6 e outra com 7 andares, e um patio interno aberto para circulação de moradores e pedestres que passam pela região, o projeto é famoso por proporcionar a integração visual do espaço público e privado, assimilando a praça Vilaboim, que está em frente, ao interior do edifício.

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Divulgação)
5. Edifício Paulicéia - Gian Caro Gasperini e Jaques Pilon
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)

Construído no final dos anos 50 por Gian Caro Gasperini e Jaques Pilon, o edifício Paulicéia, localizado em um grande terreno na Av. Paulista, reúne muitas das principais características da arquitetura moderna, como fachada com pastilhas e venezianas, além de marquises e pilotis no piso térreo - conectando as duas torres.

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)
6. Edifício Planalto - João Artacho Jurado
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)

Foi inspirado nas cores e na descontração da arquitetura do Rio de Janeiro, que  Artacho Jurado projetou o edifício Planalto. No total, são 70 apartamentos, que variam de 44 a 127 m2, e estão distribuídos em blocos conectados por corredores de serviço.  

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)
7. Edifício Prudência - Rino Levi
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Guilherme Marcato)

Com apartamentos que variam entre 315 e 350 m2, o edifício Prudência, em Higienópolis, foi projetado no final dos anos 1940 e soma 36 apartamentos. Os grandes destaques do projeto estão na planta interna, que permite que você retire as divisórias dos quartos, deixando o espaço livre para redefinições, e no paisagismo assinado por Roberto Burle Marx - que ainda é o criador dos azulejos que até hoje decoram o hall de entrada.

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Guilherme Marcato)
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Guilherme Marcato)


 

8. Edifício Saint Honore - João Artacho Jurado
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)

Como acontece em outros edifícios projetados por Artacho, no Saint Honore previa-se uma fachada inteira revestida com pastilhas coloridas - o que acabou não sendo possível por questões de orçamento. 

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)

Mesmo assim, o prédio contruído entre o final dos anos 1950 e o ínicio dos anos 1960, destaca-se entre as outras construções da Av. Paulista  pelo curioso formato em L. Grandioso ele tem 25 andares, com 6 apartamentos por andar que variam entre 170 e 223 m2.

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Emiliano Hagge)
9. Edifício Santa Elisa - Arnaldo Maia Lello
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Carolina Mossin)

Construído no estilo Art Deco, o Edifício Santa Elisa, que fica no Largo do Auroche, zona central de São Paulo, foi projetado por Arnaldo Maia Lello em 1928. 

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Carolina Mossin)

No projeto original, porém a fachada não era pintada e sim revestida de pó de pedra e pó de mica. 

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Carolina Mossin)

A parte interna, no entanto, contínua praticamente a mesma e surpreende pelas texturas do piso e os desenhos das grades e portões de ferro fundido. 

10. Edifício Viadutos - João Artacho Jurado
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (além do Copan) (Foto: Divulgação)

Localizado no Viaduto Maria Paula, na zona central de São Paulo, o Edifício Viadutos foi idealizado por Artacho na década de 1950. 

  •  
10 edifícios assinados para morar em São Paulo (Foto: Emiliano Hagge)


 

Com proporções gigantescas o prédio possuí 30 mil m2 de área construída, 27 andares, 368 apartamentos e 12 elevadores para levar moradores e convidados para cada um deles.

10 edifícios assinados para morar em São Paulo (Foto: emiliano Hagge)

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


05 de maio de 2017   -   09:58:30

Décor do dia

Décor do dia: sala de jantar em tons de branco, cinza e bege

Mistura de cores neutras pode, sim, ter um resultado interessante

04/05/2017| POR REDAÇÃO FOTO REPRODUÇÃO casa vogue

Decor do dia (Foto: reprodução)

Esta sala de jantar prova que é possível investir apenas em tons neutros e ainda assim conseguir um resultado pra lá de interessante no décor. O ambiente, que faz parte de um apartamento em Paris decorado pela AD Office, traz calma e ao mesmo tempo atrai o olhar graças ao contraste sutil entre o branco, o cinza e o bege. Sobre a mesa circular, a luminária pendente cria um contraponto geométrico em relação à boiserie. Enquanto isso, no chão, o tapete sobre o piso de madeira acrescenta textura e acolhimento, transformando a sala no cenário propício para boas refeições e conversas.

 

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


03 de abril de 2017   -   17:02:03

Escritórios do futuro, Milão 2017

Salão do Móvel de Milão reúne lançamentos para escritórios do futuro

A exibição workplace 3.0 questiona a atual forma de trabalho e propõe soluções que colocam o individuo no centro das atenções

24/03/2017| POR GIOVANA MARADEI FOTOS:DIVULGAÇÃO casa vogue

Salão do Móvel de Milão reúne lançamentos para os escritórios do futuro (Foto: Divulgação)

Em um estudo feito pelo Fórum Econômico Global, 65% das crianças que entram hoje na pré-escola vão trabalhar em profissões que ainda não existem. E, se nem as carreiras do futuro serão as mesmas, quem dirá os escritórios, não é mesmo? Por isso, a exibição workplace 3.0, que faz parte do Salão de Móvel de Milão, propõe uma reflexão sobre os ambientes corporativos de hoje e reúne propostas diversas que prometem adequar o ambiente das empresas às novas formas de encarar o trabalho.



Este ano a exposição ocupará dois pavilhões, o 22 e o 24, que juntos somam 10 mil m² e reuni um total de 92 expositores, entre fabricantes de móveis e mobiliário. Acontecerá por lá também a Joyful Sense at Work, um evento / exposição com curadoria de Cristiana Cutrona, anunciado pela primeira vez em 2016, que busca dar  forma e vida às últimas teorias de produtos de escritório e design de espaço de trabalho.

Entre as tendências apontadas pelos organizadores do Salão do Móvel de Milão, e que devem de alguma forma ser atendidas pelos designers presentes, está o espírito nômade desta nova geração, que quer sempre mudar de lugar e espera que seu escritório o acompanhe por onde ele for; e também o encontro entre casa e escritório, dois ambientes que antes eram opostos e hoje se tornam cada vez mais misturados.

"Uma consequência da grande liquidez dos estilos de vida contemporâneos é uma crescente sobreposição entre espaço de vida e espaço de trabalho, com casas e mobiliário doméstico adaptando-se ao uso duplo: para casa  e escritório", explicam os organizadores que ainda destacam o aumento no número de peças móveis, que podem ser transportadas para diversos espaços.

Salão do Móvel de Milão reúne lançamentos para os escritórios do futuro (Foto: Divulgação)

Pensado nestas tendências, e claro, em tornar os locais de trabalho um lugar verdadeiramente agradável, a edição 2017 do Workplace 3.0 introduz uma abordagem altamente centrada no ser humano e deve apresentar as mais novas soluções de design concebidas para impactar positivamente o equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal.

 

Comentar (0) Curtir Twitter

Arquitetura


03 de abril de 2017   -   16:14:46

Plantas dentro do quarto.

Seis ideias de como ter plantas no quarto

Exuberantes ou minimalistas, há propostas para todos os estilos

01/04/2017| POR LÍGIA NOGUEIRA FOTOS DIVULGAÇÃO casa vogue

paisagismo-plantas-no-quarto (Foto: Divulgação)

Casa ou apartamento, não importa: a consciência da boa influência das plantas nos ambientes é cada vez mais presente. “Qualquer lugar fica mais aconchegante com plantas”, acreditam as arquitetas Denise Yui e Julia Rettmann, da Selvvva, de São Paulo. Seguindo esse movimento, que tem ganhado cada vez mais força principalmente nas grandes cidades, ter um espaço com boa iluminação já é uma desculpa para cultivar espécies dentro de casa.

Ter plantas no quarto já foi considerado inadequado, mas essa teoria caiu por terra há algum tempo. O cômodo também entra na tendência greenery com diferentes intensidades – só depende da vontade e do tempo disponível para cultivar as mais variadas espécies. Confira a seguir seis ideias simples de como ter plantas no quarto de dormir.


 

paisagismo-plantas-no-quarto-1 (Foto: Divulgação)


Uma palmeira de quase dois metros de altura foi a espécie escolhida para este quarto tropical chic, em sintonia total com o espírito greenery da temporada. A clássica areca é ornamental e de fácil cultivo. Além de posicioná-la perto da janela, de modo que ela pegue sol durante algumas horas do dia, outro cuidado fundamental é nunca deixar que o solo seque completamente. Uma atitude que vale para qualquer planta é colocar o dedo na terra e sentir se ela precisa de mais ou menos água e, então, realizar regas conforme o necessário.

 

paisagismo-plantas-no-quarto-2 (Foto: Love On Sunday Studio)


Um jeito minimalista de ter plantas no quarto é investir em galhos de espécies como o eucalipto. Neste dormitório inspirado no estilo escandinavo, os ramos foram posicionados sobre a cabeceira, compondo uma elegante wall art que traz cor e um leve perfume para o ambiente. Uma das mesas laterais foi decorada com uma suculenta em cachepot dourado, outra tendência que veio para ficar.

 

paisagismo-plantas-no-quarto-3 (Foto: Divulgação)


E por falar em suculenta, a espécie é uma das mais recomendadas aos iniciantes, por ser de fácil manutenção (precisa de luz em abundância e pouca água). Espécies pendentes, como o dedo de moça, trazem textura e dão um upgrade imediato no décor. Efeito semelhante tem o Senecio rowleyanus, conhecido popularmente como “rosário” ou “string of pearls”. Ao escolher uma planta pendente, vale investir em uma estrutura de ferro com bom design para valorizá-la ainda mais – diversas marcas dão uma cara contemporânea para os clássicos suportes usados no passado.

paisagismo-plantas-no-quarto-4 (Foto: Homepolish)


A figueira ou Ficus lyrata é outra espécie que vem sendo bastante utilizada na decoração indoor. A planta fica linda em um canto do quarto, próxima à janela. Um cesto de fibra natural usado como cachepot acrescenta textura e torna o ambiente mais acolhedor. Sua folhagem exuberante precisa de luz difusa para se desenvolver.

paisagismo-plantas-no-quarto-6 (Foto: Divulgação)


Por ser uma espécie pendente, a jiboia fica linda quando colocada em hangers, ou sobre móveis e prateleiras. Conforme crescem e se desenvolvem, seus ramos se derramam pelos ambientes. Versátil, a planta combina com vários estilos de decoração, mas precisa ser regada com frequência. Lembre-se de molhar o solo a cada dois ou três dias.

paisagismo-plantas-no-quarto-7 (Foto: Divulgação)


A espada-de-são-jorge purifica o ar e aumenta os níveis de oxigênio, por isso é considerada uma das espécies mais indicadas para o quarto. Outro ponto a favor da espécie, que é muito resistente, é que suas folhagens rígidas são verticais e quase não ocupam espaço. Regue sempre que a terra estiver seca ao toque.

paisagismo-plantas-no-quarto (Foto: Divulgação)

Casa ou apartamento, não importa: a consciência da boa influência das plantas nos ambientes é cada vez mais presente. “Qualquer lugar fica mais aconchegante com plantas”, acreditam as arquitetas Denise Yui e Julia Rettmann, da Selvvva, de São Paulo. Seguindo esse movimento, que tem ganhado cada vez mais força principalmente nas grandes cidades, ter um espaço com boa iluminação já é uma desculpa para cultivar espécies dentro de casa.

Ter plantas no quarto já foi considerado inadequado, mas essa teoria caiu por terra há algum tempo. O cômodo também entra na tendência greenery com diferentes intensidades – só depende da vontade e do tempo disponível para cultivar as mais variadas espécies. Confira a seguir seis ideias simples de como ter plantas no quarto de dormir.


 

 

Comentar (0) Curtir Twitter

EDIÇÃO N° 52 - OUTUBRO DE 2017