Cultura

Foto: Reprodução / Pipa
em 21 dezembro, 2018

Exposição de quadros e fotografias em Pipa une Arte e Resistência

"Bate, bate, bate coração, dentro deste velho peito.” Alguns de vocês irão lembrar desta canção lançada em 1982, que embalou os passos de forró de muita gente. Mas o coração que bate forte agora é o de Frida e de Walfran, de Kahlo e Guedes, que juntos celebram os 20 anos de carreira desse artista genuíno, autodidata, que conheci no estúdio da TV Universitária de Natal, há 10 anos, quando gravávamos para o Programa Olhar Independente. Ele, ensaiava seus primeiros passos na sétima arte, era desejo seu dar movimento a seus quadros, fazê-los ganhar mais vida e expressão. Será possível? Já que seus quadros são carregados de tanto sentimento. Para celebrar essa data, Guedes escolheu a mundialmente conhecida artista mexicana, e preparou a exposição Coração de Frida. São aproximadamente 15 quadros em que Frida transborda vida e sentimento. 

Seu pincel transcende a sua função, o artista vai com luz e sombra escrevendo sua própria biografia. “É uma homenagem às mulheres que me rodeiam e me inspiram. A mulher sempre foi fonte principal de inspiração. Escolhi Frida como um estandarte.” Confessa.

O coração bate, bate em todas as telas e ela, a mulher, que Frida representa, beira o real. Ele usa elementos, objetos do cotidiano e veste suas personagens de mais cor e brilho. É impossível não sentir as expressões de suas mulheres, ali, transvestidas de Fridas que não se calam. O sorriso, a dor, o sofrimento estão lá, por trás daquelas cores, de um brinco pendurado na orelha, de um coração que faz tripas de si mesmo. As lágrimas transbordam em algumas telas e são contidas em outras. Se não jorra o sal da lágrima, jorra o sal do leite materno, da FridaMãe que ela não foi, mas que representa todas as mães fêmeas. Da mãe que ele, o artista é, quando pare cada quadro, cada imagem, cada olhar que se move ou paralisa diante de um único motivo: a arte. 

E foi Pipa que pariu esse artista das cores, da poesia, da fotografia, do cinema, da transcendência artística. Foi nesse chão de dunas e falésias que ele vendeu seu primeiro quadro, há vinte anos atrás. E desde então não parou mais. 

Além das telas que irão compor a exposição Coração de Frida, 10 mulheres foram fotografadas e farão parte da celebração das duas décadas de vivência na arte e nas águas dos mares de Pipa, do nosso Walfran Guedes, esse artista que carrega nos olhos a ânsia do menino incansável em descobrir e desvendar. Que resiste e supera as dificuldades da lida de quem vive da arte e para a arte.