Cidade

Foto: Divulgação
em 12 julho, 2018

Fórum de Reitores discute na Assembleia Legislativa investimentos em ciência e tecnologia

O Fórum de Reitores do Rio Grande do Norte participou da reunião da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia (CECT) da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN), na manhã desta quinta-feira, 12, para discutir a relevância do financiamento da ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento do estado, além do fortalecimento e da sustentabilidade da Fundação de Apoio à Pesquisa do RN (Fapern).

A discussão sobre o Plano de Investimento de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento do RN teve início na última reunião do Fórum dos Reitores, que aconteceu na UFRN no dia 10 de julho, e foi apresentada ao CECT da ALRN, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento do estado, por meio de fomento nas áreas científicas e tecnológicas, de acordo com o presidente da Farpern, João Maria de Lima.

O vice-reitor José Daniel Diniz Melo aproveitou a oportunidade para lembrar que, durante a reunião que discute a ciência no Rio Grande do Norte, estava acontecendo a sessão solene para debater a “Marcha pela Ciência: o presente e o futuro do setor de ciência e tecnologia no país", na Câmara dos Deputados, em Brasília. O professor reforçou ainda a importância de investimento em pesquisa para evitar a diminuição de fomento na pós-graduação, a perda de alunos para outros estados e a queda na produção de conhecimento.

O reitor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), Willys Tabosa, considera que o estado está perdendo o protagonismo do desenvolvimento científico e tecnológico, por meio da Fapern, mas que as instituições públicas de ensino superior estão unidas pelo fortalecimento da Fundação, que significa o fortalecimento da educação e da economia potiguar.

O representante da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), Jean Berg da Silva, falou do potencial das instituições citando o destaque em premiações, com o reconhecimento nacional às melhores teses pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para a Ufersa, em 2016, e para a UFRN, em 2017. Contudo, na opinião do docente, se não houver investimento os pesquisadores irão para outros estados ou para fora do país em busca de oportunidades.

A reunião teve como resultado a proposição do Plano de Investimento de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento do RN ao Governo do Estado para que ocorra a inclusão da Fapern na Lei de Diretrizes Orçamentárias, que será aprovada nesta terça-feira, 17, na ALRN

Autor(a): Alice Lima