Saúde

em 19 março, 2018

Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel realiza evento sobre os perigos da Disfagia

O Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG), através da Divisão de Reabilitação, realiza nesta quarta-feira (20), a partir das 16h, no auditório da Coordenação de Residência Médica (Coreme) uma palestra sobre Disfagia. A explanação acontece em comemoração ao Dia Nacional de Atenção à Disfagia, problema que atinge entre 16% a 22% da população mundial, e que se caracteriza como a dificuldade em engolir alimentos, líquidos e até mesmo a saliva. Para falar sobre o tema, foi convidada a nutricionista Christiane Marques, da empresa Nutrir. Durante a explanação, a profissional também fará uma demonstração de como utilizar um espessante para auxiliar na alimentação de pacientes com disfagia.

A disfunção pode atingir: bebês prematuros, pessoas com síndrome de Down, que sofreram Acidentes Vascular Cerebral (AVC), queimaduras, traumatismos crânios encefálicos, entre outras causas. “A disfagia também atinge 85% dos pacientes que sofrem paralisia cerebral, 45% das pessoas que tem câncer de cabeça e pescoço, 50% das que tiveram AVC e 27,2% dos idosos. Este último grupo, por sinal, é o mais suscetível a desenvolver esse problema, devido as mudanças naturais do envelhecimento e da perda da força muscular, que podem ocasionar uma dificuldade em engolir”, alerta a fonoaudióloga gerente da Divisão de Reabilitação, Karla Danielly.

Após a palestra, um grupo de alunos do 7º período do curso de fonoaudiologia da Universidade Potiguar (UNP), darão continuidade aos trabalhos. Eles irão as enfermarias do segundo andar do hospital, portando banners explicativos sobre Disfagia e prestação esclarecimentos aos pacientes e acompanhantes.

Para quem se encontra internado em uma unidade de saúde, a dificuldade em deglutir deve ser tratada o mais rápido possível. “Quando não cuidada, pode ocasionar um risco maior de pneumonia aspirativa e uma consequente maior debilidade do quadro de saúde, além de desnutrição e desidratação. Também gera um maior tempo de internação, o que aumenta o risco de infecção”, previne Danielly.

 

Autor(a): Saulo de Castro