Arquitetura - wellingtonfernandes@mail.com

Wellington Fernandes

Separar sem bloquear a luz e o vento cobogós

25 de Junho 2018 - 02:39
18/07/2016 - 18H53 - Texto Stéphanie Durante
 

Cobogós separam ambientes sem bloquear a passagem de luz

Brasileiríssimo, este elemento construtivo permite separar ambientes sem bloquear a passagem de luz e de ventilação, além de proporcionar personalidade aos espaços

ESCONDE-ESCONDE: Para disfarçar a porta do lavabo, a equipe do escritório Patrícia Martinez Arquitetura idealizou uma divisória executada com cobogós Quadratto, da Elemento V. O vermelho, em contraste com o azul da parede, cria um espaço singular. (Foto: Edu Castello/Editora Globo)(Foto: Edu Castello/Editora Globo)

ESCONDE-ESCONDE | Para disfarçar a porta do lavabo, a equipe do escritório Patrícia Martinez Arquitetura idealizou uma divisória executada com cobogós Quadratto, da Elemento V. O vermelho, em contraste com o azul da parede, cria um espaço singular.

MOLDURA AMARELA: Para permitir uma entrada maior de luz natural no quarto do casal, a equipe do Superlimão Studio derrubou parte da parede que divide o ambiente e aplicou ali elementos vazados de cerâmica. (Foto: Maíra Acayaba/Editora Globo)(Foto: Maíra Acayaba/Editora Globo)

MOLDURA AMARELA | Para permitir uma entrada maior de luz natural no quarto do casal, a equipe do Superlimão Studio derrubou parte da parede que divide o ambiente e aplicou ali elementos vazados de cerâmica.

ENTRADA TRIUNFAL: O arquiteto George Mills optou por cobogós de cerâmica esmaltada para delimitar o corredor de entrada desta casa. Para deixar o painel mais resistente, George instalou lâminas de ferro a cada quatro fileiras de peças. (Foto: Edu Castello/Editora Globo)(Foto: Edu Castello/Editora Globo)
AdChoices
PUBLICIDADE

ENTRADA TRIUNFAL | O arquiteto George Mills optou por cobogós de cerâmica esmaltada para delimitar o corredor de entrada desta casa. Para deixar o painel mais resistente, George instalou lâminas de ferro a cada quatro fileiras de peças.

BELA DIVISÃO: Para obter o máximo de luminosidade e ventilação entre a cozinha e o corredor que leva aos quartos, a arquiteta Karina Fontana substituiu parte da parede por uma composição com elementos vazados de cerâmica esmaltada da Cerâmica Martins. (Foto: Edu Castello/Editora Globo)(Foto: Edu Castello/Editora Globo)

BELA DIVISÃO | Para obter o máximo de luminosidade e ventilação entre a cozinha e o corredor que leva aos quartos, a arquiteta Karina Fontana substituiu parte da parede por uma composição com elementos vazados de cerâmica esmaltada da Cerâmica Martins.

ESTRUTURA EXPOSTA: Em resgate à estética do prédio, o designer gráfico Adonis Galvão trocou a parede da cozinha por um fechamento com vidros. Assim, o elemento original da fachada foi aproveitado esteticamente, além de proporcionar luz e ventilação natura (Foto: Marcelo Magnani/Editora Globo)(Foto: Marcelo Magnani/Editora Globo)

ESTRUTURA EXPOSTA | Em resgate à estética do prédio, o designer gráfico Adonis Galvão trocou a parede da cozinha por um fechamento com vidros. Assim, o elemento original da fachada foi aproveitado esteticamente, além de proporcionar luz e ventilação naturais.

FACHADA DE IMPACTO: O muro de cobogós criado pelo escritório Domo Arquitetos integra a  área interna e a área externa desta casa projetada pelo arquiteto Ney Lima. A estrutura com elementos vazados de concreto não bloqueia a circulação de ar, que é muito  (Foto: Victor Affaro/Editora Globo)(Foto: Victor Affaro/Editora Globo)

FACHADA DE IMPACTO | O muro de cobogós criado pelo escritório Domo Arquitetos integra a área interna e a área externa desta casa projetada pelo arquiteto Ney Lima. A estrutura com elementos vazados de concreto não bloqueia a circulação de ar, que é muito necessária no clima quente de Brasília, e ainda permite a visão do jardim.

ILUMINAÇÃO GARANTIDA: Para deixar o quarto mais iluminado, aproveitando a luz natural da varanda, o arquiteto Filipe Ramos optou por um painel de cobogós. As peças de concreto do  modelo Paralelo, da NeoRex, foram assentadas em posições alternadas e pinta (Foto: Maíra Acayaba/Editora Globo)(Foto: Maíra Acayaba/Editora Globo)

ILUMINAÇÃO GARANTIDA | Para deixar o quarto mais iluminado, aproveitando a luz natural da varanda, o arquiteto Filipe Ramos optou por um painel de cobogós. As peças de concreto do modelo Paralelo, da NeoRex, foram assentadas em posições alternadas e pintadas com a tinta Tronco de Sândalo, da Coral.

CHEIO DE CHARME: Este projeto da arquiteta Lica Cukier é um belo exemplo do ditado popular que diz que “a beleza está nas pequenas coisas”. A profissional conseguiu dar uma nova cara ao ambiente ao fazer um simples rasgo na parede e preenchê-lo com peças  (Foto: Edu Castello/Editora Globo)(Foto: Edu Castello/Editora Globo)

CHEIO DE CHARME | Este projeto da arquiteta Lica Cukier é um belo exemplo do ditado popular que diz que “a beleza está nas pequenas coisas”. A profissional conseguiu dar uma nova cara ao ambiente ao fazer um simples rasgo na parede e preenchê-lo com peças de elemento vazado cerâmico. O modelo trançado revela um pouco do ambiente.

DEIXA ENTRAR: Ao se eliminarem as paredes para integrar a cozinha e a sala de estar, somente uma continuou de pé: a que separa a lavanderia. Para aproveitar a insolação, que é boa naquela face do prédio, e iluminar a área do escritório, o arquiteto Felipe (Foto: Fran Parente/Editora Globo)(Foto: Fran Parente/Editora Globo)

DEIXA ENTRAR | Ao se eliminarem as paredes para integrar a cozinha e a sala de estar, somente uma continuou de pé: a que separa a lavanderia. Para aproveitar a insolação, que é boa naquela face do prédio, e iluminar a área do escritório, o arquiteto Felipe Hess preencheu parte da parede com cobogós cerâmicos da Elemento V.

Lugares especiais

22 de Junho 2018 - 10:45

O nosso litoral é extenso e repleto de belezas naturais que encantam,poder apreciar esses locais em lugares especiais é melhor ainda. Destaco aqui a pousada chalé colmeia em tabatinga, o lugar é unico, privilegiado.

 O ciclo das marés que acontece de 6 em 6 horas muda completamente o cenário e transforma a paisagem de uma forma extraordinária.

Adeus rejunte:pisos monoliticos são a aposta do momento

22 de Junho 2018 - 08:00
 

Adeus rejunte: pisos monolíticos são a aposta do momento

Livres das linhas que recortam o visual, os pisos monolíticos proporcionam unidade estética e sensação de amplitude

chat_bubble_outline more_horiz

BASE CARMIN

As técnicas locais saíram valorizadas nesta casa erguida em Santo Antônio do Pinhal, SP. Um bom exemplo aparece no cimento queimado vermelho, feito com mão de obra das redondezas. “O contrapiso bem preparado recebeu a argamassa, sobre a qual foi salpicada uma mistura de cimento com Pó Xadrez (LanXess) vermelho, marrom e preto. Após a cura, o piso foi encerado”, diz o arquiteto Eduardo Ferroni, do escritório Hereñú + Ferroni Arquitetos, de São Paulo. As juntas de dilatação auxiliaram na execução do piso e garantiram uma cobertura livre de trincas.

– (Divulgação/Pedro Napolitano Prata)

 

NUANCES À VISTA

Na reforma deste apartamento de 75 m², pensado para o conforto e a privacidade de um pai solteiro e seu filho, o piso – de aparência rústica e sem rejunte – contribui com a sensação de continuidade entre os cômodos. Mais do que isso, atende ao desejo do próprio morador. “Feito sem emendas, o cimento queimado tende a apresentar fissuras com o tempo. Mas pessoas que pedem esse tipo de material gostam do estilo industrial e não se importam com isso, Além do mais, sua rotina de limpeza é simples”, afirma a designer de interiores Marina Linhares, que atua na capital paulista, mentora da reformulação do endereço

– (Divulgação/Ana Mello)

 

IMENSIDÃO CINZA

A velocidade de aplicação e a facilidade de manutenção ditaram a preferência pelo piso de resina epóxi autonivelante (NS Brazil) para este home office. “Monolítico, é prático de limpar e não trinca. Na época, se comparado a materiais como carpete e madeira, também oferecia ótimo preço”, detalha a arquiteta Thais Aquino, do escritório paulistano DT Estúdio, que assina a obra. “Após aplicar uma base de resina sobre o contrapiso, que deve estar bem feito, o acabamento é puxado com uma espécie de rodo com serra dentada, o que garante uma superfície lisa e vitrificada”, diz Pedro Almeida Carmo, da Pac Soluções, que realizou o trabalho.

– (Divulgação/Ana Mello)

 

NO TOM DAS ÁGUAS

Neste apartamento em São Paulo, onde predominam o concreto e o branco das paredes, a cor vibrante do piso epóxi autonivelante (Tintas Âncora) inunda o imóvel de vida. “A escolha faz referência também à arquitetura de Artacho Jurado [1907-1983], autor do Edifício Viadutos. Suas obras apresentam matizes de verde, azul, amarelo e rosa”, diz a arquiteta Anna Juni, sócia de Enk te Winkel e Gustavo Delonero no escritório Vão Arquitetura. As paredes anguladas também pesaram para a opção pelo acabamento, executado pela RLX Pinturas. “Um piso modulado acarretaria em muita perda de material e difícil instalação.”

– (Divulgação/Ana Mello)

 

ALVURA PLENA

Prático e sem excessos. Eis as características que os proprietários queriam ver refletidas neste apartamento de 190 m² na capital paulista. Para a empreitada, contaram com a expertise do arquiteto Felipe Hess. Nos ambientes vestidos de branco, o granilite com discretos pontos de cor na mistura caiu como uma luva. “Ele proporciona continuidade visual ao imóvel, oferece fácil manutenção e se encaixa na estética minimalista que buscávamos para a proposta”, revela o profissional. Uma resina de proteção fosca arrematou a base, dona de uma beleza ímpar.

– (Divulgação/Fran Parente)

 

TAPETE À MODA

Típico de imóveis antigos como este, erguido nos anos 50, o piso com cacos grandes de mármore passou por restauro na reforma comandada pela arquiteta Teresa Mascaro, de São Paulo. Parte dele foi recortada a fim de abrir espaço para o trecho forrado com o mesmo granilite, mas na inédita versão vermelha. Esse novo pedaço oculta as redes elétrica e hidráulica (instaladas no contrapiso para abastecer os equipamentos da ilha da cozinha). “Estendemos o granilite até as paredes da varanda e dos banheiros, a 1,90 m de altura”, diz ela, relatando o trabalho esmerado que levou dois meses. Execução: Astélio da Silva Branco.

– (Divulgação/Ana Mello)

 

BELEZA PRÓPRIA

Nem parece uma casa geminada em ambas as laterais e implantada num terreno em declive, tamanha a presença de luz natural e a amplidão dos ambientes. Conquista do projeto bem bolado das arquitetas Cecilia Reichstul e Clara Reynaldo, do escritório paulistano CR2 Arquitetura, endossada pelo piso bambolê, no qual o contrapiso é o protagonista. “A base de concreto usinado foi sarrafeada. Após a aderência do material, o bambolê (espécie de enceradeira com hélices de aço) fez o polimento da área. Por fim, uma resina para preservar o aspecto do concreto”, diz o engenheiro Fábio Calsavara, da F2 Engenharia, responsável pela obra. O resultado? Uma cobertura única e sem emendas. Execução: Serv Pisos.

– (Divulgação/Alessandro Guimarães)

Casa de campo custo baixo

21 de Junho 2018 - 08:00
 

Casa de campo suspensa é prática e teve custo barateado

Banhada pelo Sol durante todo o dia, esta construção em Gonçalves, MG, é cercada pela paisagem verde da Serra da Mantiqueira

chat_bubble_outline more_horiz

Logo pela manhã, o sol entra de mansinho na sala, assim que toca o alto do telhado de duas águas, onde uma abertura com caixilhos estrategicamente posicionada entre elas dá passagem aos primeiros  raios.

Conforme as horas passam, a claridade banha toda a construção repleta de transparências que convidam o verde deste refúgio mineiro na Serra da Mantiqueira a fazer parte do interior.

No período da tarde, o sol penetra pelo terraço coberto, o que ajuda no conforto térmico da casa, já que as temperaturas são extremas na região. Ali fica a mesa confeccionada pelo marceneiro Aristeu Pereira da Costa com cadeiras da Tok&Stok.

No período da tarde, o sol penetra pelo terraço coberto, o que ajuda no conforto térmico da casa, já que as temperaturas são extremas na região. Ali fica a mesa confeccionada pelo marceneiro Aristeu Pereira da Costa com cadeiras da Tok&Stok. (Divulgação/Eduardo Pozella)

Leia mais: Esta casa nas montanhas parece um refúgio mágico

Suspensa, a casa de 82 metros quadrados repousa delicadamente sobre o terreno acidentado e avança sobre ele, tirando o melhor proveito do declive e da paisagem ao redor.

Quando abertas, as portas de correr integram interior e varanda. Nesta, as réguas de garapeira tratada do piso foram niveladas com o cimento queimado da sala.

Quando abertas, as portas de correr integram interior e varanda. Nesta, as réguas de garapeira tratada do piso foram niveladas com o cimento queimado da sala. (Divulgação/Eduardo Pozella)

“Uma parte fica implantada no platô e a outra se projeta em direção ao desnível do lote, como se o ampliasse. É uma estrutura mista, em que pilares e vigas de concreto sustentam a laje do piso enquanto os mesmos elementos, feitos de madeira, suportam as paredes de alvenaria e o telhado”, explica a arquiteta Cristina André, autora do desenho.

Com tesouras de garapeira aparentes, o estar comporta caixilhos de alumínio (Alumiglass Brasil) com 2,55 m de altura, que emolduram as montanhas.

Com tesouras de garapeira aparentes, o estar comporta caixilhos de alumínio (Alumiglass Brasil) com 2,55 m de altura, que emolduram as montanhas. (Divulgação/Eduardo Pozella)

 

Concebido seguindo soluções, métodos construtivos, materiais e mão de obra locais, o refúgio não só enalteceu elementos  regionais como o tijolo de barro maciço e o cimento queimado como teve seu custo barateado, totalizado em R$ 250 mil.

Na fundação da residência, foram utilizadas sapatas de concreto com brocas para apoio dos pilares quadrados que sustentam a laje treliçada do piso e o deck de garapeira (CRS Madeiras).

Na fundação da residência, foram utilizadas sapatas de concreto com brocas para apoio dos pilares quadrados que sustentam a laje treliçada do piso e o deck de garapeira (CRS Madeiras). (Divulgação/Eduardo Pozella)

“Nós queríamos uma casa bonita, ensolarada e o mais em conta possível. E que fosse prática e eficiente: como é suspensa, fica livre da umidade”, conta a proprietária Denise Silveira Mathias, que frequenta Gonçalves há 12 anos, mas só em março de 2016 conseguiu iniciar a obra tão sonhada ao lado do marido e do filho de 11 anos.

Feitos de alvenaria e cimento queimado cinza-claro, a lareira e o banco lateral com nichos para livros e objetos (45 cm de altura) formam um bonito conjunto com o piso, cuja massa recebeu pigmento ocre.

Feitos de alvenaria e cimento queimado cinza-claro, a lareira e o banco lateral com nichos para livros e objetos (45 cm de altura) formam um bonito conjunto com o piso, cuja massa recebeu pigmento ocre. (Divulgação/Eduardo Pozella)

Pronto em janeiro deste ano, o refúgio seria alugado por um ano enquanto uma segunda propriedade pudesse ser finalizada para receber os moradores. Porém, tal ideia vem sendo adiada à medida que eles se apaixonam cada vez mais pelo lugar e suas montanhas.

Cozinha do futuro

20 de Junho 2018 - 11:24

Guilherme Torres apresenta uma cozinha do futuro na CASA COR SP

The Next Supper 2026 é o projeto de Guilherme Torres com a Todeschini que apresenta uma cozinha futurística que vai te surpreender!

chat_bubble_outline more_horiz

24-casa-cor-sao-paulo-2016

 (/)

Guilherme Torres diz que sua cozinha do futuro, cheia de tecnologias, estará no cotidiano familiar muito antes de você terminar a sua sobremesa. O profissional assina na CASA COR São Paulo 2016Cozinha Gourmet Todeschini. 

“Nossas cozinhas precisam ser revistas. No mercado imobiliário, prolifera o conceito da cozinha social, o tal espaço gourmet. E a indústria arquitetônica vem apontado que o cômodo voltará a ser protagonista no século 21″, explica o Gui Torres.

NEXT-SUPPER-2026-STUDIO-GUILHERME-TORRES--(28)

 (/)

O profissional firma parceria com a Todeschini, referência no setor de planejados, para criar um ambiente futurista e inovador. Conceituando o projeto, Gui Torres investe em tecnologias que aparecem sutilmente pelo espaço, como na bancada de corian que oculta pia e máquina de lavar – que também fará as vezes de armário, evitando tarefas repetitivas – e na mesa em inox, que comporta sistema de cocção por indução, aposentando o famigerado fogão. 

Outro eletrodoméstico que será completamente reconfigurado é a geladeira. No lugar da caixa vertical que encapsula todos os produtos na mesma temperatura, o novo refresh-frozen também se dá a partir da armazenagem por indução, onde as próprias embalagens dos produtos gelam, congelam ou refrescam. 

NEXT-SUPPER-2026-STUDIO-GUILHERME-TORRES--(30)

 (/)

O duo preto e branco é explorado de várias formas, que confere o visual adequado ao espaço que é um híbrido de cozinha e estar.

Segundo a proposta do profissional, já há várias marcas que apostam nesses tipos de tecnologia e que em 2026 as cozinhas serão como essa apresentada na mostra. “Previsão da metamorfose: uma década, e nem um segundo a mais. Se a vida é curta, melhor então correr para a cozinha do amanhã e começar pela sobremesa, antes que, de fato, ela se resuma a uma pílula de glicose”, finaliza o profissional.

SERVIÇO CASA COR SÃO PAULO 2016

Estudio da longevidade

19 de Junho 2018 - 01:56

CasaCor 2018: Estúdio da longevidade permite vivenciar as principais dificuldades dos idosos dentro de casa

O objetivo é mostrar como um apartamento bem planejado pode diminuir cerca de 40% dos acidentes domésticos.

Segundo dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na última década, o número de pessoas acima dos 60 anos subiu cerca de 50%. Este percentual representa um aumento de mais de 8,5 milhões de pessoas nessa faixa etária. Em 2027, essa quantidade deve subir ainda mais e chegar a 38 milhões. A partir deste cenário, a arquiteta especialista em gerontologia e consultora de bem-estar para as pessoas idosas, Flávia Ranieri, criou a Somos Grou, que atrela qualidade de vida e longevidade pensando na velhice das pessoas, que vai ser apresentado na CasaCor 2018.

A arquiteta planejou um apartamento aparentemente normal mas que é totalmente pensado para a experiência da pessoa idosa.

De acordo com estudos de profissionais da USP (Universidade de São Paulo), construir moradias que estejam preparadas para receber e dar o conforto necessário aos idosos reduz cerca de 40% dos acidentes domésticos. Dados do Ministério da Saúde mostra que 70% dos acidentes envolvendo pessoas acima de 60 anos acontecem dentro de suas próprias residências.

"Além de um crescimento da população dessa faixa etária, os números comprovam que a maioria esmagadora dos acidentes acontece dentro de casa. Portanto, assim como já é lei projetar casas e prédios pensando na adaptação do espaço para deficientes físicos, a proposta é ajudar na conscientização sobre construir moradias que tragam a melhor experiência em qualidade de vida para as pessoas idosas. Um lugar que envelheça com a gente", explica a consultora e arquiteta.

O projeto além de promover a autonomia e independência do idoso, impacta os familiares.

Para apresentar as dificuldades do envelhecimento no dia a dia, a arquiteta planejou um apartamento aparentemente normal mas que é totalmente pensado para a experiência da pessoa idosa. Na visita guiada será possível vestir uma roupa que simula as limitações do idoso e experimentar o espaço. "O local nasceu para mostrar que os mais velhos também pode ter e prolongar sua independência e autonomia, justamente com a melhor preparação do lugar onde vive", afirma.

O projeto além de promover a autonomia e independência do idoso, impacta os familiares, já que o local é projetado com equipamentos de monitoramento prevenindo qualquer tipo de acidente. "Todos os acessórios são imperceptíveis pensados exclusivamente nos acidentes mais comuns", explica Flávia.

O apartamento estará disponível para visitação na CasaCor 2018, a maior feira de arquitetura, design e interiores e paisagismo da América Latina, que vai acontecer nos dias 22 de maio a 29 de julho, no Jockey Club de São Paulo (Av. Lineu de Paula Machado- Cidade Jardim, São Paulo). Para fazer a visita guiada no espaço, marque seu horário por e-mail do contato@somosgrou.com.

HASHTAGS: #EstidiodaLongevidade #CasaCor2018 #FlaviaRanieri #SomosGrou

Paleta de cores

16 de Junho 2018 - 08:00

Décor do dia: sala de jantar azul, rosa e cinza

Elementos elegantes se unem para ambiente criativo

23/11/2016 | POR REDAÇÃO; FOTO SILVIA RIVOLTELLA/ DIVULGAÇÃO

Décor do dia (Foto: Divulgação)




Quem acompanha a Casa Vogue deve ter notado a semelhança entre esta sala de jantar e este quarto. Os dois ambientes que misturam elementos contemporâneos com outros de estética retrô foram criados pelo Studiopepe para a Spotti Milano.

Aqui, a parede laminada de madeira escura cria um belo contraste com o papel de parede, instaurando um pano de fundo desprovido de cores para um arrobo cromático de criatividade: ao redor da mesa Plinto azul, da Meridiani Editions, dançam cadeiras Febo, da Maxalto, revestidas de veludo rosa. Do teto pende a escultórica luminária Modo, da nova-iorquina Roll & Hill.

Décor do dia (Foto: Casa Vogue)
LEIA MAIS

Roteiro arquitetônico Nova York

15 de Junho 2018 - 04:37

Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York

Selecionamos as obras de arquitetura que você não pode deixar de ver

09/06/2018| POR GIOVANNA MARADEI | FOTOS: REPRODUÇÃO

Há viagens que são pautadas pela natureza e tudo o que vemos e admiramos são árvores, plantas, praias e cachoeiras. E existem os destinos urbanos, com menos verde, mas com uma exuberância de construções que também são de tirar o fôlego. Este é o caso de Nova York, a cidade que nunca dorme poderia ter um roteiro arquitetônico com mais de 100 edifícios, mas para facilitar a sua viagem separamos 15 que são essenciais para qualquer apaixonado por arquitetura.
 

1. Terminal TWA
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

A chuva de edifícios monumentais em Nova York já começa no aeroporto JFK. O terminal TWA, projetado por Eero Saarinen em 1962, é inspirado na ideia do voô e com suas formas fluídas tem ares modernos até mesmo para os tempos atuais.

 
2. Guggenheim Museum
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Um verdadeiro clássico, o Museu Solomon R. Guggenheim foi o último projeto do arquiteto Frank Lloyd Wright que, em contraste com as torres altas e retas de Manhattan, criou um centro cultural fluido e circular, referência tanto para os que gostam de arte quanto para os amantes da arquitetura.

3. The High Line
  •  
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Inaugurado em 2009, e assinado pelos escritórios James Corner Field Operations e Diller Scofidio + Renfro Partners, o parque suspenso que reaproveita uma antiga via férrea rapidamente caiu na graça de turistas e locais. A 8 metros de altura do chão, e com 2,5 km de extensão, a passarela ainda é uma ótima alternativa para quem quer conhecer os bairros de Meatpacking District, West Chelsea e Hell's Kitchen/Clinton.

4. Sperone Westwater Gallery
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

A estreita galeria projetada pelo escritório Foster + Partners chama atenção pela cobertura que protege e, ao mesmo tempo, revela o seu interior. O edifício ainda é um dos destaques do plano de revitalização da região da Bowery.

5. Whitney Museum of American Art
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

A nova sede do tradicional museu americano, inaugurada em 2015, é assinada pelos escritórios de Renzo Piano  e Cooper Robertson. Localizado no Meatpacking District, a construção com cerca de 4 650 m² chama atenção pela assimetria de suas estruturas de concreto e vidro, além das vistas que dão tanto para o Rio Hudson quanto para o High Line.

6. Empire State Building
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Construído em 1931, o Empire State Building foi projetado por Shreve, Lamb & Harmon e ficou pronto em apenas 20 meses. Estilo art deco, o edifício de 380 metros de altura foi, até a construção das Torres Gêmeas, o prédio mais alto do mundo e permanece, ainda hoje, um dos mais imponentes símbolos americanos – embora, claro, sejam vários os arranha-céus que o ultrapassem.

7. Chrysler Building
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Projetado por William Van Alen, o edifício dos anos 1930 tinha a ambição de se tornar o mais alto do mundo, mas só ocupou a posição por 11 meses. Mesmo assim, a construção ainda se destaca na imensidão urbana de Nova York, especialmente pelos fortes traços drt deco, sua ponta rebsucada e a coroa do terraço com adereços em formato de águias.

8. Metropolitan Museum of Art
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Fundado em 1870, o Metropolitan Museum of Art é o maior museu dos Estados Unidos e já passou pelas mãos de vários arquitetos. Embora a fachada neoclássica ainda seja o que mais chama atenção, vale reparar nas diferenças e semelhanças das diversas partes, desde o edifício original, projetado por Calvert Vaux e Jacob Wrey, até a fachada da Quinta Avenida, assinada por Richard Morris Hunt, as asas norte e sul, de McKim e Mead & White e as salas feitas após o século XX, por Kevin Roche e John Dinkeloo e Associados.

9. Brooklyn Bridge
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)


 

Projetada por John Roebling, no final da década de 1860, e concluído em 1883 por seu filho e sua nora, Washington e Emily Roebling, a ponte do Brooklyn não é só cenário de diversos filmes, mas também um marco na arquitetura americana. Considerada a ponte suspensa mais antiga dos Estados Unidos, a construção foi a primeira a usar cabos de aço e suas torres de tijolos chegaram a ser as mais altas da cidade.

10. Hearst Tower
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Considerado o primeiro arranha-céu verde de Nova York, a torre projetada por Foster + Partners chama atenção por sua estrutura triangular com lados simétricos, mas também pela preocupação sustentável. Afirma-se que o prédio foi projetado para usar 21% a menos de aço do que os edifícios tradicionais e que 90% das 10.480 toneladas de aço usadas são derivadas de material reciclado.

11. Flatiron Building
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

O Flatiron Building foi um marco arquitetônico na virada do século 20. Concluído em 1902, por Daniel Burnham, ele chama atenção pelo formato, que lembra um ferro de passar, e também pelo alvoroço que causou na sua construção. A fama era tanta que o prédio definiu até mesmo o nome da região, que passou a ser chamada de Flatiron District.

12. The Oculus
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Batizado de Oculus, o edifício construído por Santiago Calatrava coroa a estação de trem que fica no entorno do local que abrigava as Torres Gêmeas. Com um salão oval e 111 metros de comprimento, a construção reúne ainda um shopping e é formada por altas vigas brancas que se interligam e apontam para o céu, formando uma espécie de asa.

13. Radio City Music Hall
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Considerado o maior teatro de rua do mundo há mais de oitenta anos, o Radio City Music Hall foi projetado por Edward Durell Stone & Donald Deskey e dizem que na época de sua inauguração foi considerado tão bonito que nem precisaria de artistas.

14. 520 W 28th St
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Também conhecido como o Edifício Zaha Hadid, este prédio residencial de formas orgânicas foi um dos últimos projetos assinados pela arquiteta antes de sua morte. Localizado ao lado da da High Line, o edifício foi pensado para ter ainda quatro galerias de arte localizadas no nível da rua.

15. Grand Central Terminal
Roteiro arquitetônico: 15 prédios que você precisa visitar em Nova York (Foto: Reprodução)

Um dos cenários mais populares para encontros e despedidas emocionantes nos filmes americanos, o Grand Central Terminal conta com impressionantes 44 plataformas e um total de 67 linhas ferroviárias, todas abrigadas por um edifício clássico que chama atenção pelo teto cheio de pinturas de constelações, que faz com que os viajantes sempre andem de cabeça levantada.

Casa concentino por Debora Aguiar

07 de Junho 2018 - 03:26

CASACOR SP: os 4 elementos naturais na Casa Cosentino by Debora Aguiar

Ambiente assinado por Débora Aguiar é um local de apreciação da natureza e convivência

 

– (Rafael Renzo/CASACOR)

Água, fogo, terra e ar. A Casa Cosentino, assinada por Débora Aguiar para a CASACOR São Paulo 2018, foi projetada para a contemplação desses quatro elementos naturais. Com espaços amplos e repletos de natureza, o ambiente é um refúgio que oferece conforto e elegância aos seus ocupantes.

– (Marco Antônio/CASACOR)

Composta por hall de entrada e social, suíte máster com closet e banheiro, home theater, espaço gourmet, sala de jantar, área de aperitivo com lareira e living, a Casa acompanha os ideais do tema A Casa Viva, promovendo a convivência por meio de espaços integrados e vários pontos de transparência voltados para o jardim, os quais permitem a entrada abundante de luz natural.

– (Marco Antônio/CASACOR)

No hall, o visitante se depara com as grandes árvores, um espalho d’água e um jardim vertical. Já na sala de jantar, uma grande mesa de madeira e 30 pendentes do designer Ingo Maurer dão as boas-vindas aos convidados. O pé direito duplo do living (com generosos 7 m) junto da torre da lareira formam um eixo que integra o estar e o jantar.

– (Marco Antônio/CASACOR)

Ainda que construída priorizando a integração, a Casa também possui suas áreas privativas, para momentos mais intimistas e reservados. A suíte máster dispõe de closet e banheiro, ambos com um pergolado coberto de vidro que leva o jardim vertical e luz natural para o interior.

– (Marco Antônio/CASACOR)

Além de tudo isso, o ambiente também possui uma exuberante área externa com jardins, piscina, terraço e lareira ao ar livre. Um local perfeito para apreciar as belezas naturais.

Neo mint tendência

06 de Junho 2018 - 02:12

Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020

Segundo o WGSN, a tendência invadirá tanto o décor quanto a moda, e carrega forte inspiração na tecnologia

06/06/2018| POR PAULA JACOB | FOTOS DIVULGAÇÃO E PINTEREST

Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)

Já notou a quantidade de filmes sobre ficção científica e realidade virtual que foram lançados nos últimos anos? De Blade Runner 2049 ao polêmico Black Mirror, as produções refletem sobre a influência do avanço da tecnologia na vida humana. Há pouco, o Google também mostrou seus estudos com a nova assistente virtual, que marca até a sua reserva no restaurante - passando despercebida pelo atendente - e se junta aos similares Alexa, da Amazon, e a Siri, da Apple. Enquanto as grandes empresas do Vale do Silício lutam pelo melhor desenvolvimento de algo que vimos no filme Her (2013), de Spike Jonze, os olhares se voltam para um futuro que está quase aí: 2020. E mesmo que ainda não tenhamos os carros voadores dos Jetsons, uma coisa é certa, pelo menos para os trend hunters da WGSN, a cor do ano será mais pura e simples. Neo mint é a aposta da vez para os pesquisadores, justamente por captar esse momento de alta produção tecnológica.

E MAIS: Saiba quais cores usar para deixar a casa aconchegante

Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)

“Há anos imaginamos como seria a vida em 2020 e, agora, os mundos da tecnologia e da ciência estão transformando esses sonhos em realidade. Será o ano em que a visão ‘super-futurista’ se torna realidade”, explica o anúncio de Jane Monnington Boddy, diretora de cores da WGSN. A tonalidade é fresca e totalmente alinhada com a ciência, sem esquecer da natureza. A união de ambas as situações é de extrema importância para compreender esse novo momento.

Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)

"Meu papel é estudar padrões e mudanças de tendência em muitas áreas, desde arte, moda e design até ciência, tecnologia e economia. Essas informações são fornecidas à comunidade de design global para permitir que elas criem produtos com precisão de acordo com as tendências certas, no momento certo para seus consumidores. Neste sentido, temos clientes que vão desde gigantes do setor de vestuário até empresas de automóveis e alguns dos principais varejistas do mundo. O que está se tornando claro é a importância do Neo Mint - um tom que alinha sucintamente o desenvolvimento futurista com a natureza", detalha Jane Monnington Boddy.

 

Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)

Este ano começou com o desfile de inverno da Gucci, com cenário inspirado em uma sala de cirurgia, e a tonalidade principal era uma versão mais azulada do Neo Mint, mas ainda assim, é alinhada ao processo de avanços tecnológicos. Na passarela da Prada, por sua vez, moletons Neo Mint contrastavam com a passarela preta. “O apelo neutro em termos de gênero supera os tons femininos do início da década.” Não esqueçamos do Millennial Pink, que também veio para propor um diálogo sem gênero que as novas gerações defendem nas ruas mundo afora.

Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)

Nos interiores, a tonalidade tem carta branca para qualquer ambiente, de diversas formas, do teto colorido à parede bicolor. A proposta limpa é o par perfeito para a escolha dos móveis, sempre de linhas simples e formas arquitetônicas. Use tons da mesma paleta, verdes mais claros ou mais escuros, para formar um ambiente totalmente futurista, sem cair no óbvio. Exemplo ótimo para se inspirar é o The Budapest Cafe, café na China com interiores inspirados em Wes Anderson. O projeto do escritório australiano Biasol enaltece o Neo mint em boa parte dos espaços, e contrasta com o veludo verde profundo e o rosa. Outro exemplo é a Medly, em Nova York, farmácia que parece ter saído de um filme de ficção cinetífica.  

VEJA TAMBÉM: Paleta modernista: conheças as cores da vez na decoração e na moda

Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)

Mesmo que ainda falte um tempo até 2020, é bom notar que o ano terá a Olimpíada IA, na qual a inteligência artificial irá ajudar a pontuar com mais precisão os ginastas; a inauguração do Jeddah Tower, na Arábia Saudita, o prédio mais alto do mundo; a missão Mars 2020 Rover da NASA, para checar se o território é habitável por humanos; e a abertura da exposição The Future Starts Here, no V&A Museum.    

© Julien Fernandez - Bordeaux - France. Appartement a Bordeaux. Architecte d'interieur : Fusion D. (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)
Neo mint: saiba tudo sobre a cor de 2020 (Foto: Divulgação)

Joao Armentano casa cor 2018

31 de Maio 2018 - 09:00

Villa Olivo Todeschini: um espaço de meditação na CASACOR SP 2018

João Armentano criou o ambiente com foco em uma oliveira centenária de 300 anos vinda do Uruguai

chat_bubble_outline more_horiz

– (Marco Antonio/CASACOR)

Quem adentra a Villa Olivo Todeschini – espaço criado por João Armentano na CASACOR São Paulo 2018 – imediatamente é acometido com uma sensação de leveza. Em sintonia com o tema A Casa Viva, o espaço é um local de refúgio e meditação.

– (Marco Antonio/CASACOR)

A Villa, de 320 m², foi concebida em torno de uma oliveira de 300 anos trazida do Uruguai, na qual o arquiteto se inspirou para criação do nome Olivo. A integração com a natureza, de forma plena, é o pilar central do projeto. Grandes portas de vidro pivotante e brises trazem para o living o frescor e o aroma dos alecrins plantados no jardim, assinado pelo paisagista Daniel Nunes.

– (Marco Antonio/CASACOR)

Essa sensação de amplitude é intensificada pela escolha do mobiliário, que inclui nomes como Jader Almeida e Sergio Rodrigues, e também pela seleção meticulosa de objetos decorativos contemporâneos e de antiquários, como a cabeça de Buda da Dinastia Han. A mescla de elementos, contudo, é coesa e contida, na medida em que não cria conflitos no olhar do visitante. Tudo é harmonioso.

– (Marco Antonio/CASACOR)

No quarto, a cama dossel, desenhada pelo próprio Armentano é o destaque, e vem cercada de luminárias de Gustavo Di Menno, cadeiras Thonet, e uma poltrona de Flavio de Castro. Na saleta ao lado do dormitório, o painel divisor funciona como moldura da obra de Geraldo de Barros. A integração entre os espaços é fluida e natural, como o desenho dos galhos de árvores.

– (Marco Antonio/CASACOR)

Estrutura sustentável casa cor Sao Paulo 2018

30 de Maio 2018 - 10:49

Marton Estúdio aposta em estrutura sustentável na loja da CASACOR SP

O espaço, que remete a uma estufa, pode ser reproduzido em outras locações

chat_bubble_outline more_horiz

– (Rafael Renzo/CASACOR)

A estrutura chama a atenção de longe. A Loja CASACOR Duratex por Armazém do Marton – um espaço de 80 m² com mais de seis mil produtos focados em economia criativa, design e lifestyle – ganhou uma cobertura verde de 25 m² que representa, de maneira poética, a própria temática da mostra em 2018: A Casa Viva.

– (Rafael Renzo/CASACOR)

A ideia, segundo José Marton, é que o espaço lembrasse uma estufa e remetesse ao cultivo da vida. Mas engana-se quem pensa que a loja vai ganhar temperaturas elevadas: o ambiente é totalmente ventilado e não precisa nem de ar condicionado. Isso acontece porque há uma manta entre as telhas e o forro para garantir o conforto térmico da construção.

– (Rafael Renzo/CASACOR)

Como a sustentabilidade é uma marca do trabalho do Marton Estúdio, foi a preocupação com ela que balizou todo o projeto da loja. “Trabalhamos muito com cenografia, por isso temos essa preocupação em minimizar o impacto do descarte no ambiente ao final do projeto. E essa é uma preocupação da mostra também!”, comenta José Marton.

– (Rafael Renzo/CASACOR)

A loja foi toda criada a partir de uma estrutura de madeira, que pode ser completamente desmontada e remontada em outro lugar. “A madeira é cortada no tamanho adequado para o ambiente e as réguas são coladas umas nas outras. Este sistema construtivo é muito usado nos Estados Unidos e na Europa, mas ainda não é tão comum no Brasil”, explica. “Neste tipo de obra, você economiza muito o tempo de montagem. É um tipo de construção muito rápida e simples”, revela.

– (Rafael Renzo/CASACOR)

A ideia do desmonte não é inédita para o Marton Estúdio. Na última edição da mostra em 2017, a sua equipe levou a loja, com toda a matéria prima original, ao Shopping Villa Lobos após o término da mostra.  O projeto, inclusive, venceu duas categorias do 5º Prêmio Design de Varejo RDI Brasil em 2017: sustentabilidade e loja pop up. Marton explica que esta é uma das principais bandeiras do estúdio com relação aos seus projetos de varejo. “A preocupação com o descarte, hoje, é emergencial”, reflete.

Varanda chique

29 de Maio 2018 - 14:31
 

Décor do dia: Área externa chic e neutra

Uma varanda gourmet perfeita para relaxar e curtir com os amigos

29/05/2018| POR GABRIELLE CHIMELLO | FOTOS DENILSON MACHADO / DIVULGAÇÃO

Décor do dia: Área externa chic e neutra (Foto: DENILSON MACHADO/DIVULGAÇÃO)

Para abrigar uma família no Rio de Janeiro, que gosta de curtir a vida de forma mais caseira, o ponto de partida escolhido pelo escritório, responsável pela reforma do duplex, BC Arquitetura, foi construir uma nova escada, com linhas retas, de cimento estrutural, fechada com vidro jumbo para evitar emendas, que levasse para uma área mais resguardada: o espaço gourmet.

Todos os revestimentos e paleta de cores escolhidos seguiram a base neutra, valorizando os móveis de madeira e cores discretas que compõem o espaço. O balanço suspenso traduz ao pé da letra o conforto e traz personalidade ao espaço. Em um nível acima, entre dois jardins verticais, o parapeito feito de vidro transparente permite ver a cidade e penetra no ambiente. É o encontro perfeito entre a sofisticação e o aconchego.

Décor do dia: Área externa chic e neutra (Foto: DENILSON MACHADO/DIVULGAÇÃO)

 

 

Casa sustentável em sao miguel do gostoso

11 de Maio 2018 - 03:02
 

Casa de praia sustentável em São Miguel do Gostoso

Consumo consciente e apuro estético andam juntos na casa que Cris Dios e Itamar Cechetto ergueram no nordeste do país. Inserida na natureza, pensada em cada detalhe, é como se ela tivesse crescido junto com o imponente mandacaru, o primeiro morador do terreno.

 
tamanho do texto
A- | A+

Casas - 06h02 - Atualizado as 12h15

Casa de praia sustentável em São Miguel do Gostoso

Consumo consciente e apuro estético andam juntos na casa que Cris Dios e Itamar Cechetto ergueram no nordeste do país. Inserida na natureza, pensada em cada detalhe, é como se ela tivesse crescido junto com o imponente mandacaru, o primeiro morador do terreno

16/04/2018| TEXTO CRISTINA DANTAS | ESTILO ADRIANA FRATTINI | FOTOS FILIPPO BAMBERGHI

16/04/2018| TEXTO CRISTINA DANTAS | ESTILO ADRIANA FRATTINI | FOTOS FILIPPO BAMBERGH

Ruas deslumbrantes pelo mundo

09 de Fevereiro 2018 - 13:18

15 ruas deslumbrantes ao redor do mundo

Passeie por 15 ruas impactantes de cidades de diversos países

09/02/2018| POR MARCEL VERRUMO | FOTOS DIVULGAÇÃO

casa vogue

Arquitetura deslumbrante, cores vibrantes, decorações festivas... Muitos são os fatores que podem contribuir para uma rua se tornar um marco de uma cidade (e até de um país), sendo um espaço para a celebração da cultura local, a realização de negócios e o bem-estar dos moradores. Nesta matéria, selecionamos 15 ruas deslumbrantes ao redor do mundo, que contam muito sobre a História e a Cultura de onde estão localizadas. Confira o resultado.



1. Havana, em Cuba
Andar pelas ruas de Havana é adentrar em um mundo à parte, onde o passado pulsa em prédios, cores e carros. Os tons pastel conversam com cores mais vibrantes, como o vermelho, o verde e o amarelo de diversas construções. Um mergulho na história do país, em monumentos que representam seus heróis e em acontecimentos marcantes.

Street scene with vintage car and worn out buildings in Havana, Cuba. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

2. Cartagena, Colômbia
Uma das cidades mais românticas da América do Sul, Cartagena é um convite ao amor. Becos, praças, igrejas e casinhas coloniais recebem os enamorados que, longe de Paris, encontram na Colômbia um lugar para construir sua história.

View of a beautiful colonial street in Cartagena, Colombia (Foto: Getty Images/iStockphoto)

3. Quioto, Japão
Quem caminha pelas ruas de Quioto, no Japão, pode se sentir passeando por mangás e desenhos animados oníricos. Seus bairros são bastante preservados, com casinhas com teto triangular e repletos de passarelas e áreas exclusivas para pedestres.

Kyoto, Japan old town streets in spring. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

4. Paris, França
Em uma das cidades do mundo preferida pelos casais, o bairro Montmartre é dos mais boêmios e visitados por turistas e artistas locais. Situado em uma colina íngreme, suas ruas são marcadas por toldos coloridos, listras e praças vivas.

Montmartre in Paris (Foto: Getty Images/iStockphoto)

5. Barcelona, Espanha
Em uma das maiores cidades da Espanha, o bairro El Gòtic convida os turistas e moradores da região a mergulharem na história da Espanha. Andar por suas ruas é se deparar com arcos, prédios e monumentos que emanam o estilo gótico, que dá nome à região, e remetem a séculos de história.

Barri Gothic Quarter and Bridge of Sighs in Barcelona, Catalonia, Spain (Foto: Getty Images/iStockphoto)

6. Salvador, Brasil
A capital da Bahia é marcada por uma brasilidade nascida da convivência de elementos culturais africanos e portugueses. Uma das regiões mais famosas é a do Pelourinho, famoso centro histórico com chão revestido de pedras e ruas cujas casas exalam cores e formas que revelam a História da arquitetura da antiga capital do Brasil Colônia.

Pelourinho - Salvador, Bahia, Brazil (Foto: Getty Images/iStockphoto)

7. Oxford, Inglaterra
Conhecida pela sua famosa Universidade, uma das mais antigas e melhores do mundo, quem passa pelas ruas de Oxford encontra grandes prédios, antigos e novos, muitos dos quais da própria instituição educacional, que não possui um campus, mas diversos edifícios espalhados. No Natal, a cidade fica repleta de luzinhas, criando uma atmosfera ainda mais jovem para a cidade tão universitária.

A busy Oxford Street, December 2014. There is lots of motion in the evenings on Oxford Street. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

8. Banguecoque, Tailândia
A cidade tailandesa é conhecida por sua atmosfera rápida, dinâmica, sinestésica, onde comidas, cores, sons e cheiros diversos convivem e criam uma identidade multicultural marcada pela sobreposição.

the Road at dusk in the China Town in the city of Bangkok on 3.11.2016 in Thailand (Foto: Getty Images/iStockphoto)

9. Rio de Janeiro, Brasil
Quem passa pelas ruas do Rio de Janeiro, antiga capital federal, tem a possibilidade de contatar diferentes expressões artísticas e culturais. A poucos quarteirões de distância, a cidade parece mudar completamente. Uma das mais importantes é a Avenida Nossa Senhora de Copacabana, famosa pelo seu calçadão com estampas icônicas e deslumbrante vista para o Oceano Atlântico.

Copacabana beach on top angle of view in Rio de Janeiro (Foto: Getty Images/iStockphoto)

10. Amsterdã, Holanda
Cortando a capital da Holanda, os canais talvez sejam um dos traços mais lembrados da arquitetura de cidade. Passear pelas suas ruas, no entanto, é muito mais que isso. Muitas são os becos estreitos, com apenas 2m de comprimento, que dão para casas inclinadas para frente e edifícios históricos que cortam o céu com seus detalhes que remetem a séculos de civilização.

Beautiful sunset at one of nine little streets in Amsterdam, the Netherlands (Foto: Getty Images/iStockphoto)

11. Nova York, Estados Unidos
Outra cidade que parece abrigar vários mundos. E, de fato, abriga: Nova York é uma das mais múltiplas do mundo (talvez a mais múltipla). Um dos bairros com as ruas mais conhecidas é o Brooklyn, onde romantismo e história se harmonizam e estão refletidos em prédios com a fachada sem muro divisor e com pequenas escadas que dão para a porta principal. Um charme cinematográfico.

Wide angle shot down side street in Carroll Gardens, Brooklyn (Foto: Getty Images/iStockphoto)

12. São Paulo, Brasil
No coração financeiro de uma das cidades mais importantes do país, a Avenida Paulista exibe prédios com arquitetura eclética, de ícones modernistas a construções com traços contemporâneos. Andar por suas calçadas é se deparar com diferentes sotaques, culturas e histórias, estampados na diversidade de rostos que todos os dias a cruzam.

Avenida Paulista, S?o Paulo, Brasil, p?r do Sol (Foto: Getty Images/iStockphoto)

13. Lisboa, Portugal
Na capital portuguesa, é possível encontrar traços que inspiraram a arquitetura de muitas cidades brasileiras. Uma das regiões mais poéticas é o labiríntico bairro de Alfama, onde vielas se cruzam e dão para casas coloridas e com janelas já na fachada. Quem anda nessa região da cidade vislumbra a História, refletida nas pedras do chão, nos varais a céu aberto, nos antigos trens que ainda funcionam.

Lisbon, Portugal old town streets and tram. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

14. Londres, Inglaterra
Mais uma cidade onde a unidade é formada pela multiplicidade, onde diferentes estilos demarcam suas ruas. Um turista ou morador que anda por suas veias, sejam elas amplas avenidas ou estreitas vielas, corre o risco de se deparar com um prédio clássico, reconstruído após cada uma das Guerras Mundiais, ou com um arranha-céu moderno recém-construído.

sunset near Trafalgar square, London, UK (Foto: Getty Images/iStockphoto)

15. Rua de Nanquim, Xangai
Em uma das maiores cidades chinesas e um dos centros econômicos mais famosos do mundo, que viveu uma explosão desenvolvimentista nas três últimas décadas, a Rua de Nanquim é das travessas mais importantes, onde as trocas econômicas e os prédios tecnológicos surpreendem. Quem passa por ela tem diante dos seus olhos a prova arquitetônica do desenvolvimento chinês vivido nos últimos anos.

Night view of Nanjing Road in Shanghai. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

Dicas de verão

30 de Janeiro 2018 - 11:07

Dicas de verão.

A principal estratégia para amenizar o calor é a correta orientação solar do projeto de arquitetura, ou seja, construir a casa de maneira estratégica em relação à posição do sol, buscando, além disso, tirar partido da ventilação natural. “O gosto contemporâneo pelas grandes fachadas envidraçadas é um sério problema no que se refere ao calor. Fachadas em vidro funcionam como uma armadilha, capturando os raios solares no lado interno da edificação. Uma solução muito comum e equivocada é aplicar película espelhada em vidros simples. Isso não funciona, já que as películas esquentam junto com a superfície do vidro e o calor acaba sendo conduzido para o interior por irradiação. O ideal para quem faz questão de utilizar muito vidro é trabalhar com fachadas de vidro duplo, seja numa solução que permita ventilação entre esses vidros ou numa solução que crie uma camada de ar estanque entre eles. Caso isso não seja viável, o ideal é trabalhar o sombreamento das aberturas, posicionando o projeto e suas janelas de tal forma que recebam menos sol no Verão .Nesse projeto na lagoa do bonfim, procurei proteger as grandes aberturas com sombreamento , o que foi possivel devido ao fato de termos varandas e caramanchões.

Prêmio Riba 2018

14 de Dezembro 2017 - 16:49

Projeto de Aleph Zero e Marcelo Rosenbaum concorre ao RIBA 2018

Complexo que abriga moradas infantis de escola no Tocantis figura na shorlist do prêmio que elege o edifício mais inspirador do mundo

14/12/2017| POR REDAÇÃO | FOTOS: DIVULGAÇÃO

casavogue

O Royal Institute of British Architects (RIBA) acaba de anúnciar a lista dos 62 projetos que vão concorrer ao RIBA International Prize 2018. A competição bienal, que está em sua segunda edição e busca eleger o melhor "novo edifício" do mundo, lançou uma shortlist com nomes de 28 países diferentes, incluíndo um brasileiro


As moradas Infantis criadas por Alephzero e Marcelo Rosenbaum, para escola da Fazenda Canuanã, no Tocantins, foram selecionadas pelo prêmio e figuram na lista ao lado de outros grandes projetos, como o imponete Zeitz MOCAA, Museu de Arte Contemporanea Africana, construído na Cidade do Cabo, além de edifícios assinados por BIG, Zaha Hadid Architects e Foster + Partners e assim por diante.

"A presença em uma lista como a do RIBA, juntamente com profissionais que tanto admiramos, nos ajuda, como brasileiros a compartilhar um conhecimento arquitetônico nacional e latino americano", comentou Gustavo Utrabo, da Aleph Zero. 

 
Marcelo Rosenbaum projeta escola no Tocantins com ajuda de aluno (Foto: Leonardo Finotti)
Projeto de Marcelo Rosenbaum concorre ao RIBA 2018 (Foto: Divulgação)
Projeto de Marcelo Rosenbaum concorre ao RIBA 2018 (Foto: Divulgação)

O único representante da América do Sul, não chama atenção apenas pelo resultado final, mas por todo o seu processo de criação - que incluíu, por exemplo, reuniões com as crianças que ali iriam viver, para que elas participassem do processo de criação do projeto, e ainda uma profunda pesquisa de materiais que não só assegurassem o bem estar dos jovens moradores, mas também resgatassem as tradições da região.  

"Foi um trabalho colaborativo, um trabalho justo, de pensar como nós como profissionais podemos usar arquitetura como ferramenta de transformação social e, agora, esse prêmio internacional nos da oprtunidade de mostrar para o mundo esses nossos saberes ansestrais, essa beleza que tem aqui escondida no nosso país", comentou Marcelo Rosenbaum.

A origazação explica que o prêmio traz atenção internacional para os edifícios, novos, mais inspiradores e significativos de todo o mundo e também para uma variedade de talentosos líderes da indústria e clientes que, por sua vez, encomendaram esses prédios.

O RIBA International Prize foi aberto a qualquer arquiteto registrado no mundo. Um juri selecionou os 62 projetos participantes do shortlist e, agora, duranmte o ano de 2018, os escolhidos serão visitados, pessoalmente, para que quatro sejam nomeados finalistas. O grande vencedor? Saberemos em novembro de 2018 - mas desde agora estamos com os dedos cruzados.

Evento mostra Marilia Bulhoes

30 de Outubro 2017 - 08:34

 

Natal poderá conferir de perto, nesta quinta-feira (26), às 19h, na Officina Interiores, a aguardada mostra de Marília Bulhões, artista plástica potiguar com trânsito internacional. A curadoria do evento apresenta uma ousada composição de 16 obras, extraídas de sua mais recente produção, inspirada em sua estada nos EUA e América Central, nos últimos anos.

A maior parte das telas abstratas em acrílico é inédita, mas alguns trabalhos já foram expostos e premiados no exterior, a exemplo de “Corales de Roatán”, que recebeu menção honrosa na IV Bienal – UNAH de Honduras, em 2016, e do díptico exposto no Museu MIN de Tegucigalpa, resultante de sua participação como convidada especial nas comemorações alusivas ao dia internacional da mulher, na capital hondurenha, este ano.

Para a curadora internacional Roxana Martín, que a acompanhou em Washington, D.C., “Bulhões criou uma paisagem em evolução que pulsa com a energia do Brasil contemporâneo. Seu trabalho tem uma luminosidade que se propaga mesmo em suas tonalidades mais escuras. Ela aplica tinta em camadas, com suaves pinceladas com textura, que destacam a granulação da tela. A cor é transparente e as formas são, ao mesmo tempo, firmes e sutis. Enquanto algumas das pinturas refletem de imediato a tradição, outras são mais ousadas, com a inquietação do desconhecido. Todas conduzem o espectador a um espaço de diálogo e exploração. Trata-se de um trabalho tenaz, maduro, que combina beleza, imaginação e arte.”

A mostra, que tem apoio da FastFrame, está sendo organizada pelo StudioTres Arquitetura, escritório que representa a artista no Brasil, e parte da renda obtida com o evento será revertida para a AMICO, instituição beneficente que cuida de crianças cardiopatas.

 

espaço pronto para receber os convidados

       Juliana Bulhoes - Barbara Negreiros- Clarissa Alves- Erika Raposo- Renato Raposo

Juliana Bulhoes e Mariana Aurelio, ambas do escritorio que representa a artistaM arilia Bulhoes na

o Brasil. E responsavel pela curadoria e montagem da mostra: studiotres arquitetura

www.mariliabulhoes.com

bulhoes.marilia@gmail.com

instagram:marilia_bulhoes

face:Marilia Bulhoes studio tres arquitetura 84 99941 6644

Casa de papelão em um dia.

23 de Outubro 2017 - 15:18

Casa sustentável de papelão pode ser montada em apenas um dia

Material é de alta resistência e ainda recebe revestimento de folhas impermeáveis e madeira para suportar chuvas

07/10/2017| POR MARCEL VERRUMO | FOTOS DIVULGAÇÃO

 (Foto:  )

A Fiction Factory, empresa holandesa de cenários teatrais, apresentou ao mercado a wikkelhouse, uma casa de papelão que pode ser construída em apenas um dia. As paredes da morada são feitas a partir de uma estrutura de papelão de alta resistência, a qual é formada por 24 camadas envolvidas em um molde central (essa característica de molde envolvido é o que dá nome ao produto que, em inglês, pode ser traduzido como “envolver a casa”).

 

 (Foto:  )

Ao contrário do que possa parecer à primeira vista, o fato de ser uma estrutura de papelão não faz com que a casa seja leve ou fácil de ser montada por um amador. Cada uma das “peças-paredes” que compõem a morada pesa cerca de 500 kgs, quantidade transportada pela própria Fiction Factor

 (Foto:  )
 (Foto:  )

Para evitar que a casa se deteriore com o tempo, o exterior da wikkelhouse é revestido com uma folha impermeável e com painéis de madeira, os quais protegem a estrutura interna, além de blindar os moradores de chuvas e outras adversidades.

 
 
 (Foto:  )

A estrutura é perfeita para casas temporárias e que precisam ser construídas com rapidez e eficiência, tanto em ambientes rurais quanto urbanos. Para quem mora no Brasil, a notícia ruim é que a wikkelhouse é comercializada apenas na Holanda, Bélgica, França, Alemanha, Reino Unido e Dinamarca.

 

Para viver a natureza

12 de Setembro 2017 - 11:07

 

Uma casa para viver a natureza intensamente

Madeira, vidro e um terraço de contemplação levam a uma convivência intensa com os jardins e árvores ao redor desta morada no México

10/09/2017| TEXTO CAROL SCOLFORO | FOTOS CCÚBICA/DIVULGAÇÃO

vogue

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)

O trânsito, o caos urbano, um dia cheio no trabalho. Todas as grossas experiências que se pode ter na rua são esquecidas ao entrar nesta casa, na Cidade do México. Essa era a ideia inicial que o escritório de arquitetura mexicano C Cúbica Arquitetos tinha ao criar o projeto, apostando em muita madeira, vidro e em uma vivência intensa com o verde e a luz do dia. Por isso ela foi batizada de Casa Del Suspiro. “O clima cálido da entrada rouba ao menos um suspiro dos moradores e de seus convidados”, explicam os arquitetos Emilio Cabrero, Andrea Cesarman e Marco Coello.

 

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)


A sensação refrescante se dá logo no jardim, que cria uma atmosfera suave na entrada da residência. Ainda que o entorno seja urbano e moderno, o verde acompanha a vista de praticamente todos os ambientes dos quatro pavimentos. A leveza e a naturalidade com que a madeira é usada traz um visual caloroso, sem exigir muitos complementos tanto na área externa como nos interiores.

 

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)

A madeira reveste a casa, toma as paredes com prateleiras e está nos móveis que compõem os espaços. Na cozinha, o material dá forma a um armário com cara de feira natural, que exibe os legumes e os deixa à mão. Perto dali, a sala de jantar integrada ao living mostra a fluidez e a amplitude da arquitetura.

 

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)


Aconchego e conforto são as prioridades na escolha dos móveis de tons claros. Para colorir os ambientes, basta o verde dos jardins, que surge por meio das enormes janelas de vidro. No quarto de casal, essa estratégia vai além: um terraço de contemplação com pergolado permite que os moradores relaxem em meio à copa de uma das árvores do terreno.  

Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)
Uma casa para viver a natureza intensamente (Foto: CCúbica/Divulgação)