Saúde

Foto: Foto: Divulgação
em 6 abril, 2018

Profissionais do Walfredo Gurgel ensinam como manter hábitos mais saudáveis

Neste sábado (7) é comemorado o Dia Mundial da Saúde e o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) foi "Saúde para todos". Com base no tema da campanha, profissionais de diferentes áreas do Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG) ensinam como adotar e manter hábitos mais saudáveis e, consequentemente, adquirir uma melhor qualidade de vida.

A fisioterapeuta e chefe do setor de reabilitação, Edja Bonifácio, diz que os problemas de articulação e postura podem ser gerados em casa ou no ambiente de trabalho. A boa notícia é que é possível evita-los com medidas simples no dia a dia. Segundo ela, “em nossa rotina é preciso procurar manter uma postura correta no desenvolvimento de nossas atividades, em casa ou no trabalho”, diz.

Em casa, uma posição errada para dormir pode causar problemas na postura. “Temos de ter o cuidado de sempre alinhar os seguimentos corporais (a cabeça alinhada a coluna). Para isso, são de extrema importância: um bom colchão e um bom travesseiro, que não se deformem com o tempo”, alerta. No trabalho, a atenção deve estar voltada para as roupas, móveis e outros utensílios necessários ao desenvolvimento das atividades. “As roupas no trabalho devem ser confortáveis. A ergonomia dos móveis deve ser adequada a cada pessoa. É preciso ter certeza que todos estes fatores estão de acordo com a função exercida”, orienta.

“A hidratação diária é uma excelente maneira de prevenir problemas com a voz”. É o que ensina a fonoaudióloga, Marina Ferreira. “Beber líquidos regularmente, pequenos goles durante o dia, é imprescindível para manter a saúde vocal”. Outro conselho da fonoaudióloga é quanto aos exageros vocais: “é preciso evitar os abusos ou mal uso da voz. Evitar gritar, pigarrear, falar excessivamente sem pausas, não fazer uso do cigarro ou do álcool em excesso e não querer se sobressair a ruídos externos extremamente altos, como um carro de som”, explica.  

O chefe da Cirurgia Geral, Ariano Oliveira, chama a atenção para um grave problema causado pela obesidade em pacientes que necessitam ser submetidos a procedimentos invasivos, em especial, em situações de urgência. “A gordura em excesso dificulta qualquer procedimento cirúrgico. Sem contar que um paciente com sobrepeso corre mais riscos de não resistir a uma cirurgia longa que uma pessoa que está no seu peso ideal. Esse é um problema de saúde que pouco se discute e que muitas pessoas não se dão conta da gravidade. Temos uma boa parcela da população no RN com sobrepeso. É preciso que as pessoas procurem sempre uma alimentação mais saudável, realizar atividades físicas e manter o peso sob controle”.

Atuando no Pronto Socorro Clóvis Sarinho (PSCS), o médico Clínico Geral, Gustavo Medeiros, atende a uma alta demanda de pacientes que apresentam problemas graves de circulação, ocasionados pelo diabetes, especialmente nos membros inferiores, os chamados “pés-diabéticos”. Assim como Ariano, para ele a atividade física regular, a alimentação correta, fazer checkups (exames) regularmente e o controle do peso são os fatores primordiais para evitar o desenvolvimento do diabetes. Para quem já desenvolveu a doença, Gustavo orienta: “a pessoa que possui diabetes deve ter uma atenção especial com os membros inferiores. Usar sempre um calçado que proteja o pé por completo e evitar ao máximo andar descalço”. Ele recomenda ainda que o portador do diabetes faça o exame do pé, uma vez por semana. “É preciso ter muito cuidado com pedicure e evitar remoção profunda de cutícula”. Por fim, ele adverte: “a qualquer sinal de lesão, buscar imediatamente assistência em um posto, Unidade Básica de Saúde (UBS) ou em uma unidade de Saúde da Família”.    

Problemas de sobrepeso também poder estar relacionados a uma disfunção na produção do hormônio TSH, produzido pela tireoide.  É o que alerta o endocrinologista, Tadeu Alencar. “Se uma pessoa está apresentando fraqueza, ganho de peso, anemia e queda de cabelo, ela pode estar com a produção baixa desse hormônio (hipotireoidismo). E se ela estiver emagrecendo muito, com taquicardia e insônia, pode estar com a produção muito alta (hipertireoidismo). A maneira segura para detectar se alguém desenvolveu algum desses problemas é o exame que mede os níveis de TSH no sangue. A verificação é realizada em clínicas e laboratórios.

Ainda segundo Tadeu, cerca de 8% da população do Rio Grande do Norte (RN) é portadora do diabetes. E o mais grave: apenas metade sabe que possui a doença. Para quem está acima do peso, possui histórico familiar ou não consegue evitar doces e massas, é bom ficar vigilante e realizar regularmente o teste da ponta do dedo (HGT). A verificação está disponível em qualquer posto de saúde, Unidade Básica de Saúde (UBS), farmácias ou através de alguma estratégia de saúde da família. 

“A obesidade é uma epidemia mundial. Nos Estados Unidos, 60% da população tem sobrepeso. No Brasil, esse índice chega a 50%”, revela. Dentre as consequências de estar muito acima do peso, o endocrinologista chama a atenção para os perigos do Acidente Vascular Cerebral (AVC), o câncer, infarto e distúrbios hormonais.

A boa notícia é que é possível identificar quando uma pessoa corre o risco de desenvolver alguma destas doenças. Com o uso de uma fita métrica, dar a volta na região do umbigo. Se a circunferência der acima de 94cm (para homens) ou de 88cm (para mulheres) a pessoa já está em risco de desenvolver algum desses problemas. “O ideal é uma circunferência abaixo de 90cm (para homens) ou de 80cm (para mulheres). Uma pessoa que consegue perder 10% do seu peso, já diminui consideravelmente o risco destas complicações”, explica Alencar.

A chefe da Divisão de Nutrição, Maria Elisa Diógenes, também recomenda a adoção de hábitos alimentares, de forma equilibrada. Para ela, ter qualidade de vida representa um desafio para muitas pessoas porque não engloba só a saúde física e mental, mas também a saúde espiritual, a educação, além do equilíbrio entre o lado pessoal e profissional. “E a partir daí, podemos elencar algumas dicas de como viver melhor, como: não fumar, não beba em excesso, evitar ambientes com ruído intenso, alimentação correta variada e balanceada, principalmente, rica em fibras e baixo teor de gorduras saturadas – que elevam o colesterol (HDL) –  ter um sono adequado (procurando dormir cedo e acordar cedo), além de realizar atividade física, traçando metas e objetivos”. Ainda segundo Elisa, manter uma rotina de exercícios contribui sobremaneira para aumentar a disposição, controlar doenças como a hipertensão e o diabetes, além de baixar os níveis de stress.

Outras sugestões da nutricionista:

02 – Fazer as seis refeições de forma equilibrada, seguindo sempre a pirâmide alimentar

03 – Ingerir dois litros de água por dia

04 – Mastigar bem os alimentos

05 – Evitar deitar após as refeições

06 – Evitar o sal, frituras, guloseimas e álcool

07 – Dar preferência aos alimentos naturais, principalmente frutas e verduras

10 – Evitar o consumo de enlatados e embutidos