Polícia

Foto: MPRN
em 15 abril, 2019

Quem lembra?

O MPRN deflagrou hoje (15) operação que apura a apropriação, diante de fraude superior a R$ 6,2 milhões, de depósito judicial em litígio que envolve imóvel em área do litoral norte. 

Os nomes estão sob sigilo.

Pois bem

Há um anos, no dia 13 de abril de 2018, o MPRN fez busca e apreensão no cartório de Extremoz - na Operação Senbhorio - para apurar recorrente esquema de fraudes. "Ficou comprovado que os tabeliães possuíam um paralelo e ilegal comércio de compra e venda de imóveis em Extremoz, movimentando em suas contas mais de R$ 1 milhão por ano", disse à época o MP.

Dois tabeliães substitutos foram afastados de suas funções.E o MP fez denúncia contra um corretor do ramo imobiliário e um empresário.

Condenação

Em janeiro último, o juiz Diego Costa Pinto Dantas, da Vara Única de Extremoz, condenou à prisão o ex-tabelião Gustavo Souza, substituto afastado do Cartório de Extremoz, por desvio de R$ 83,5 milhões em taxas cartorárias e emolumentos (lucros). A sentença foi de 11 anos e 10 meses de prisão em regime fechado, por peculato e lavagem de capitais. Pena que ele recorre.

Também foi condenada na mesma sentença a namorada do ex-tabelião.

Autor(a): Eliana Lima