Economia

Foto: Foto: Sebrae | Marco Polo Veras
em 6 março, 2018

Sebrae quer maximizar ações sociais e ambientais rentáveis

A comunidade de Bebida Velha, no município de Pureza (distante 59 quilômetros de Natal), tem motivos para se orgulhar. A pequena população, que não não chega a mil habitantes, tem uma moeda própria, a Cristalina, que, além de incentivar a circulação de dinheiro na própria comunidade, promove mais segurança aos moradores em relação a assaltos. Isso só foi possível depois da implantação do Banco Comunitário Fonte de Desenvolvimento de Pureza, em 2016. Com a nova moeda, a instituição financia pequenas compras, que vão desde uma galinha caipira a até um bode, de agricultores associados no comércio local.

Cada Cristalina equivale a R$ 1,00 e o banco fornece cédulas de um, dois, cinco e dez Cristalinas, além de 50 centavos da moeda. O banco já tem 80 beneficiários pessoas físicas e 22 empreendimentos cadastrados como clientes, que têm um módico desagio na hora de resgatar o dinheiro. A instituilção comunitária concede crédito para consumo, que não tem juros, e para produção. Já esse último tipo de financiamento tem juros solidários de 2,5% e pode ser pago em no máximo seis meses. 25% do valor do empréstimo é fornecido em Reais.

"Começamos com 4 mil Cristalinas e já temos 3,2 mil circulando somente na economia da comunidade. Mas, queremos melhorar a capacidade de atuação do banco e a captação de novos recursos", explica Arimatéria Silva, que faz parte da Associação dos Produtores Agrícolas Bebida Velha (APABV) e orientador de implantação do banco social.

O Banco Comunitário Fonte de Desenvolvimento de Pureza é um dos 60 projetos que farão parte do Impacta RN, o Programa de Pré-Aceleração em Negócios de Impacto Social que está sendo implementado pelo Sebrae no Rio Grande do Norte. O objetivo do programa é promover melhorias na gestão empresarial e facilitar os caminhos para que a empresa cresça e abranja um maior número de beneficiados. A ideia é orientar esses empreendedores a encontrar um mercado sólido para que, no futuro, possam escalar o negócio.

A adesão das empresas ocorreu durante workshop de apresentação do programa, que já parte do o Projeto de Desenvolvimento de Negócios de Impacto Social, que investirá em 24 meses um volume de R$ 8,5 milhões em ações para preparar o ecossistema de negócios inclusivos no estado nos próximos anos.

Desafio

"Esse é o maior projeto do Sebrae-RN em termos de volume de recursos e principalmente em amplitude de ações e público que pretendemos atingir. É um projeto desafiador pela complexidade dos grupos que estão envolvidos nesse setor", explica o diretor técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti, indicando que o projeto é estratégico para a instituição pelo que pretende alcançar no campo social.

"Queremos negócios que transformem a realidade e apresentem soluções para os problemas das comunidades. O foco do programa de pré-aceleração pe estruturar a gestão das empresas envolvidas. Vamos medr como está a gestão empresarial e o impacto gerado por essas empresas", ressalta Mona Paula, uma das gestoras do programa.

Ao longo de sete meses, as empresas selecionadas no edital receberão acompanhamento de mentores, consultores e analistas de empreendedorismo, que ajudarão esses empreendedores a entender melhor o negócio. A equipe de especialistas vai trabalhar os canais de vendas, gestão comercial, precificação, controles, padronização dos processos, o conceito de impacto social, modelo de governança, coaching e liderança.

Moda solidária e personalizada

Ação que vai impulsionar a empresa De Pedro, uma marca de roupas personalizadas que surgiu em Caicó. A proposta da grife é fazer uma moda agênero e usar a cultura popular dos artesãos do Seridó como elemento iconográfico das roupas. Aos tecidos são agregados os bordados, o couro, o crochê, a pintura à mão e a madeira sustentável. "Conseguimos colocar uma nova moda que foge do fast fashion, já que tudo é feito sob encomenda pela internet", explica o estilista e idealizador do negócio, Marcus Figueiredo.

A empresa consegue atender a clientes de várias partes do Btrasil, entre Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Ceará, além de colocar em evidência o trabalho de dez artesãos da região, garantido uma fonte de renda para quem faz trabalhos manuais. "Estamos no programa de pré-aceleração porque precisamos melhorar a gestão do negócio".

O Impacta RN também vai impulsionar o aplicativo de Waldney Souza. Em seis meses, ele desenvolveu o Line-It, um app que ser para acolhimento e acompanhamento de pacientes para ser utilizado por unidades de saúde e clínicas populares. Com o aplicativo, o paciente tem contato direto com o médico e o gestor tem um maior controle sobre a qualidade dos serviços. O Line-It já está em funcionamento em uma clínica popular de Natal mas a ideia é atingir todo o estado.

Fonte: Agência Sebrae RN