Política

em 16 abril, 2020

Covid-19: cirurgião plástico morre em Mossoró

Foto: Élio César Marson não resistiu aos sintomas da covid - Foto: Facebook

O cirurgião plástico Élio César Marson, 52 anos, é a sétima vítima da covid-19 em Mossoró. Já são 21 mortes no Rio Grande do Norte.

O médico tinha o quadro de paicente de alto risco, por ter problemas cardíacos, com obesidade e diabetes. Estava internado em um hospital privado do município desde 1º de abril, morreu hoje (16). O teste foi realizado no dia 29 de março e o resultado, positivo, saiu no dia 3 de abril.

Ações

Diante do cenário preocupante em Mossoró, pela divisa com o Ceará, onde o sistema de saúde está em colapso, a deputada estadual Isolda Dantas (PT) conversou, por meio de live ao vivo no Instagram, com o secretário estadual de Saúde, Cipriano Maia, sobre estratégias de prevenção à covid-19 especialmente em Mossoró, que é a 9ª região com maior coeficiente de mortalidade no país. 

O secretário considerou grave a situação do RN, diante da curva em ascendência do novo coronavírus, principalmente na região Oeste, devido à proximidade com o Ceará, região muito afetada.

Falou que o governo estadual tem firmado parceria e mantido diálogo com a Prefeitura de Mossoró, disponibilizando equipamentos de respiração para as UPAs do município, além da contratação de leitos para atender os pacientes.

Isolda destacou as ações da Assembleia Legislativa no combate ao novo coronavírus e falou do esforço de seu mandato para contribuir com o governo através de projetos de lei que propõem, por exemplo, a autorização da UERN para graduação dos alunos de Medicina; a responsabilização de empresas que cobram preços abusivos de EPIs; entrega de quentinhas populares; distribuição de kits de alimentação escolar, entre outros.

A parlamentar chamou a atenção para o descumprimento de medidas de prevenção e isolamento social, que têm o objetivo de impedir aglomerações e o alastramento do vírus: “Acreditamos que seguindo as recomendações de isolamento é possível diminuir o contágio em massa, como aconteceu em outros países. Não é hora de afrouxar as medidas de prevenção, muito pelo contrário!”, defendeu.

Autor(a): Eliana Lima