Polícia

em 15 março, 2019

E essa moda do horror?

Foto: As armas que estavam com o professor - Foto: ABr.

Dois dias após dois ex-alunos invadirem uma escola em Suzano, interior de SP, matar cinco alunos e duas funcionárias, depois cometerem suicídio - mais cedo atiraram no tio de um deles - e deixar nove estudantes feridos, um professor de 53 anos (identidade ainda não revelada) entrou no prédio da Secretaria de Educação do Distrito Federal (DF) com uma faca, dardos e uma besta, mesmo tipo de arma usada pelos jovens envolvidos no atentado na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano. 

Chegou ao prédio dizendo que queria uma conversa com o secretário de Educação, Rafael Parente. A segurança chamou a Polícia Militar, porque o homem estava muito alterado, que foi preso e encaminhado à 5º Delegacia de Polícia do DF. De acordo com a PM, não houve feridos, informou a Agência Brasil.

Segundo com a ABr, a PM informou, em nota, que o homem ofereceu resistência, mas os policiais conseguiram imobilizá-lo. Dentro da mochila dele foram encontrados uma faca Imbel, uma besta e três dardos. "O homem alegou que queria encontrar o secretário, que queria mostrar esses armamentos, depois iria cometer suicídio", informa o comunicado.

A nota diz também que funcionários "perceberam o cabo da besta para fora da mochila que ele carregava e acionaram a PM. Dois policiais chegaram rapidamente e o renderam". O professor não chegou a utilizar as armas.

Ao governador em exercício, Paco Britto, o secretário informou que determinou o afastamento imediato do professor e abertura de processo administrativo disciplinar (PAD) contra ele (ABr).

No Twitter, o secretário diz que registrou alguns casos de ameaças de alunos. "A Secretaria de Segurança e toda a inteligência do GDF [governo do Distrito Federal] já estão em ação, dentro de algumas escolas e à paisana" (Abr).

Autor(a): Eliana Lima