Economia

em 15 outubro, 2019

Fiern emite nota sobre o encerramento das atividades do escritório da AMN no estado

Diante da notícia do encerramento das atividades do escritório da Agência Nacional de Mineração, ANM, no estado, a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte, FIERN, emitiu nota sobre a importância da atividade para a economia potiguar.

De acordo com dados da instituição, em 2018, as atividades do setor mineral no Rio Grande do Norte movimentaram R$ 164,7 milhões, segundo dados da Agência Nacional de Mineração.  No último ano, os principais produtos da atividade mineral foram água mineral,  calcário, granito, scheelita, tungstênio, xisto, feldspato, calcário dolomítico, caulim e gabro.

Os números de recolhimento da Compensação Financeira pela Exploração Mineral mostram também que a atividade é relevante no interior do estado.

Os dez municípios onde há a maior arrecadação são Baraúna,  Currais Novos, Parnamirim, Equador, Macaíba, Parelhas, Bodó, Lajes Pintadas, João Câmara e  Apodi.

Segue a nota oficial da FIERN: 

A FIERN, ao lado de todo o segmento industrial da mineração, manifesta grave preocupação com a possibilidade de encerramento das atividades do escritório da Agência Nacional de Mineração – ANM no Rio Grande do Norte.

A atividade mineral é muito relevante para a economia potiguar, inclusive, com boas possibilidades de novos e grandes investimentos.

O fechamento do escritório local dificultará em muito o ambiente de negócios para os empreendedores da mineração e, consequentemente, também para os profissionais que atuam neste segmento industrial.

Assim sendo, a FIERN espera contar com o empenho dos representantes governo estadual, das bancadas federal estadual, e demais líderes políticos, lideranças empresariais e de entidades representativas dos trabalhadores, para que, de forma articulada, possamos empreender esforço adicional para mantermos a ANM no Rio Grande do Norte.

 

Amaro Sales de Araújo

Presidente da FIERN

Autor(a): Saulo de Castro