Polícia

em 28 janeiro, 2019

Procurador da República critica estratégias do advogado Kakay e impunidade que completa 15 anos do assassinato de auditores e motorista do Trabalho

Combativo membro do Ministério Público Federal (MPF) em Brasília, o procurador Vladimir Aras usou seu perfil no Twitter para lembrar da Chacina de Unaí (MG), que hoje completa 15 anos e os assassinos confessos tiveram suas penas abrandadas. 

Segundo investigação do MPF, os auditores Nelson José da Silva, João Batista Lage, Eratóstenes de Almeida Gonçalves e o motorista Ailton Pereira de Oliveira foram assassinados por três pistoleiros contratados.

O primeiro julgamento, no entanto, só aconteceu nove anos depois do crime, no dia 31 de agosto de 2013. Os três pistoleiros foram julgados e culpados por um júri popular em Belo Horizonte.

E até hoje se espera novo julgamento de outro grupo de acusados, incluindo o dos irmãos Antério e Norberto Mânica, apontados como mandantes da chacina.

Eis o comentário de Vladimir Aras:

- Enquanto Mariana e Brumadinho choram, as lágrimas de Unaí ainda não secaram. Há exatamente 15 anos, em 28 de janeiro de 2004, três auditores fiscais do trabalho e um motorista do ministério foram mortos numa emboscada perto da cidade mineira de Unaí, a 166 km de Brasília.

Os auditores investigavam trabalho escravo na zona rural, quando foram emboscados e mortos por três pistoleiros contratados por  fazendeiros. O @MPF_MG denunciou oito pessoas por quatro homicídios qualificados, entre eles Norberto Mânica e o ex-prefeito de Unaí, Antério Mânica.

Os júris federais foram realizados em Belo Horizonte. O dos 3 pistoleiros ocorreu em 2013 e já cumprem pena. Erinaldo Vasconcelos Silva (74 anos de prisão após fazer acordo de delação premiada); Rogério Alan Rocha Rios (94 anos de reclusão); e William Gomes de Miranda (54 anos).

Em 2015 foi a vez de os mandantes serem julgados pelo júri federal em Minas Gerais. Embora condenados, ainda estão soltos. O ex-prefeito de Unaí, Antério Mânica, que fora sentenciado a cumprir uns 100 anos de prisão, será submetido a novo júri por decisão do TRF-1 de 19/11/2018.

Para o TRF-1, a decisão dos 7 jurados mineiros contra Antério Mânica teria sido manifestamente contrária à prova dos autos. Seu irmão Norberto Mânica foi inicialmente condenado a 98 anos, mas no recurso ao TRF sua pena foi reduzida para algo pouco acima de 65 anos. #chacinadeunaí

O cerealista José Alberto de Castro, que fora condenado a 96 anos de prisão, teve sua pena reduzida pelo TRF para pouco mais de 58 anos de reclusão. Um dos intermediários da chacina de #Unaí, Hugo Pimenta, cuja pena era de mais de 47 anos, cumprirá 31 anos e 6 meses de reclusão.

Por que foi cassada a condenação de Antério? Uma estratégia do advogado Kakay teve seu lugar no enredo. Por anos Norberto negou a autoria dos crimes, mas 3 dias antes da sessão no TRF, juntou aos autos uma declaração de cartório na qual confessa os crimes e inocenta seu irmão Antério.

Novo júri deve ser realizado em Belo Horizonte para decidir se o ex-prefeito de Unaí, Antério Mânica, será condenado ou absolvido. Essa segunda decisão do júri poderá ser então definitiva. #chacinadeunaí O crime completou 15 anos hoje #OTD e as vítimas ainda esperam por Justiça.

Autor(a): Eliana Lima